Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Em 2015, nota do Brasil pode ser rebaixada novamente, alerta agência Standard & Poor's afirma que o próximo presidente brasileiro terá de fazer um grande ajuste fiscal e promover reformas estruturais para ampliar o crescimento econômico. Ministros de Dilma dizem que corte de nota do país foi decisão política

Deco Bancillon

Publicação: 26/03/2014 08:35 Atualização:

A fatura do rebaixamento do país pela agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) cairá pesadamente no colo dos brasileiros em 2015. Se quiser evitar que o Brasil perca o selo de grau de investimento, chancela de porto seguro para o capital, aquele que vencer as eleições presidenciais de outubro próximo terá de fazer um grande ajuste na economia, a começar por um corte brutal nos gastos públicos. Sem um arrocho que ponha as finanças do governo em ordem, não haverá escapatória, avisou a diretora para a América Latina da S&P), Lisa Schineller: o país voltará para o grupo das nações consideradas especulativas, do qual saiu em 2008, sob aplausos eufóricos do então presidente Lula. A nota de crédito do Brasil caiu de BBB para BBB-.

Na avaliação de Schineller, não há mais tempo para o atual governo fazer os ajustes necessários e tirar o país da situação incômoda que o levou ao rebaixamento. Sob o comando da presidente Dilma Rousseff, todos os indicadores do país pioraram. O crescimento econômico saiu de uma média superior a 4% para 2%. O rombo das contas externas deve passar dos US$ 80 bilhões pelo segundo ano consecutivo, aumentando a dependência por capital especulativo. A dívida bruta está encostando nos 60% do Produto Interno Bruto (PIB) e a economia para pagar os juros devidos pelo setor público (superavit primário) desabou. E mais: a inflação vem se mantendo sistematicamente próxima a 6% ao ano, bem distante do centro da meta, de 4,5%, perseguida pelo Banco Central.

Leia mais notícias em Economia

Segundo Sebastian Briozzo, analista da S&P, somente um amplo rol de reformas estruturais poderá ajudar o Brasil a se livrar de um novo rebaixamento. Por isso, ele avisou: “A capacidade do governo brasileiro em realizar reformas para impulsionar o crescimento e quebrar gargalos estruturais será amplamente observada após a eleição presidencial de outubro”. E acrescentou: “O país precisa estimular o crescimento e o investimento, assim como se preparar para o futuro através de reformas”. Tais ações, tanto no entender de Briozzo quanto no de Schineller, exigem "pragmatismo”, o que está longe de se ver na atual administração do Brasil, que se especializou em recorrer a manobras contábeis para mostrar uma saúde que as contas públicas não têm.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas