publicidade

Bank of America aceita pagar US$ 9,3 bilhões para evitar processo

O acordo cobre títulos vendidos pelo BoA, assim como por Countrywide e Merrill Lynch, ambos comprados pelo banco

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 26/03/2014 19:00 / atualizado em 26/03/2014 20:14

France Presse

O Bank of America (BoA) pagará US$ 9,3 bilhões para pôr fim a ações judiciais do governo americano, que acusa a instituição de querer vender títulos hipotecários "lixo" para os gigantes federais de garantia Freddie Mac e Fannie Mae.

O acordo com a agência que supervisiona os dois gigantes hipotecários federais cobre títulos vendidos pelo BoA, assim como por Countrywide e Merrill Lynch, ambos comprados pelo banco. O Banco destinará 5,830 bilhões de dólares em espécie para a Fannie Mae e a Freddie Mac. Os 3,5 bilhões restantes serão utilizados para a recompra de "ativos tóxicos" ainda em poder dos dois organismos hipotecários.

Esses títulos foram os deflagradores da crise que explodiu em 2008 nos Estados Unidos. O banco anunciou uma carga de US$ 3,7 bilhões no balanço de seu primeiro trimestre. O acordo prevê ainda que Kenneth Lewis, ex-presidente do Bank of America, não poderá dirigir uma empresa cotada em Bolsa pelo prazo de três anos.

Leia mais notícias em Economia

Bank of America e Lewis, 67, também aceitaram pagar 25 milhões de dólares, sendo 10 milhões desembolsado pelo próprio ex-presidente executivo, em troca da suspensão das acusações. "Isto representa uma das primeiras tentativas bem sucedidas das autoridades de punir um executivo e uma grande instituição financeira desde a crise (de 2008), assinalou o departamento de Justiça do Estado de Nova York.

Lewis era acusado de ocultar e de apresentar de maneira enganosa previsões financeiras durante os preparativos da fusão com a Merrill Lynch. O executivo anunciou a compra da Merrill Lynch - por um bom preço - no dia 15 de setembro de 2008, exatamente quando a Lehman Brothers declarou sua quebra, precipitando a crise financeira mundial.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade