Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Banco Central prevê PIB de 2% e inflação de 6,1% em 2014 Será o quinto ano consecutivo em que o valor da inflação é maior que o centro da meta de 4,5%

Deco Bancillon

Publicação: 27/03/2014 09:07 Atualização: 27/03/2014 16:16

O Brasil deve crescer ainda menos em 2014 do que cresceu ano passado. Pelos cálculos do Banco Central (BC), o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano deverá aumentar 2%, resultado inferior aos 2,3% obtidos em 2013

A instituição também divulgou projeção para a inflação. Para o Banco Central, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deverá fechar o ano em 6,1%, bem distante, portanto, do centro da meta de 4,5%. Será também o quinto ano consecutivo que os preços ficarão acima desse patamar.

A nova estimativa consta do Relatório Trimestral de Inflação, documento que traz análises e projeções para a economia brasileira e mundial. Mesmo a nova projeção do BC ainda está distante do que espera o mercado financeiro, que aposta numa expansão do Produto Interno Bruto de apenas 1,7% este ano. O número é ainda menor se levado em conta as projeções de bancos especializados, que apontam para um crescimento menor que 1,5%.

Leia mais notícias em Economia

O Ministério da Fazenda, porém, segue apostando numa expansão maior, de 2,5%, conforme consta no mais recente relatório de programação orçamentária para 2014.

Parte da revisão para baixo do desempenho do PIB se deve à menor projeção para o consumo das famílias, que vinha sendo o principal motor do crescimento econômico nos governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff. Após registrar alta de 2,3% em 2013, o consumo das famílias deve desacelerar para 2%, a mesma projeção para o PIB. O BC disse que a estimativa se ampara “no cenário de manutenção das baixas taxas de desemprego e de ganhos reais de salários moderados”.

O que não deve diminuir, no entanto, é o consumo do governo, que deverá crescer 2,1% este ano, portanto acima do PIB, e mais forte que o crescimento registrado em 2013, de 19%.

Ladeira abaixo

A maior surpresa do documento diz respeito aos investimentos, medidos pela Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF). Após crescerem 6,3% em 2013, os investimentos devem avançar apenas 1,0% este ano. “Cabe notar que a perspectiva de desaceleração na FBCF em 2014 reflete, em parte, o carregamento estatístico do último trimestre de 2013”, explicou o BC.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas