Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Relatório de inflação prevê que conta de luz deve subir 9,5% este ano Até fevereiro, a previsão do BC era de alta de 7,5% até dezembro

Deco Bancillon

Publicação: 28/03/2014 08:47 Atualização:

O brasileiro vai devolver ao governo, por meio de uma tarifa de energia mais cara, praticamente metade do desconto recebido, em 2013, na conta de luz. A previsão do Banco Central (BC) é de que os preços da eletricidade subam, em média, 9,5% este ano, diminuindo em quase 50% o corte efetivo de 20% anunciado pela presidente Dilma Rousseff. Até fevereiro, a previsão do BC era de alta de 7,5% até dezembro.

A estimativa consta do mais recente Relatório de Inflação da instituição, que traz previsões e análises para o comportamento da economia e dos preços de produtos e serviços. Ao comentar os números, o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton, reiterou se tratar apenas de estimativa, e não de uma antecipação do reajuste. “Estamos com projeção para aumento da energia, mas isso não é uma promessa”, disse.

Leia mais notícias em Economia

O próprio Ministério de Minas e Energia (MME) tem declarado que as previsões feitas pelo Banco Central devem ser vistas como indicadores de referência e não como certezas, ressaltando que os reajustes nas contas de luz são definidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), dentro da programação de revisão tarifária, cujos índices e datas de aplicação são individualizados para cada distribuidora de eletricidade.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas