Economia
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Em dois meses, rombo nas contas públicas atinge R$ 19,9 bilhões Setor público consolidado registra o maior deficit nominal para um primeiro bimestre desde 2006. Excesso de gastos põe investidores em alerta, sobretudo depois do rebaixamento do país pela S&P. Próximo presidente terá de promover arrocho nas despesas

Deco Bancillon

Publicação: 29/03/2014 08:00 Atualização: 28/03/2014 23:27

Clique para ver o gráfico ampliado (Danilson Carvalho/CB/D.A Press)
Clique para ver o gráfico ampliado

A gastança desenfreada do governo não tem fim. Dados do Banco Central mostram que, somente nos dois primeiros meses do ano, o rombo nas contas públicas (deficit nominal, que inclui as despesas com juros) atingiu R$ 19,9 bilhões, o pior resultado para um bimestre desde 2006. O buraco corresponde a 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB). Segundo os especialistas, qualquer que seja o parâmetro de avaliação, os resultado são ruins. No acumulado de 12 meses terminados em fevereiro, o deficit totalizou R$ 161,8 bilhões, valor equivalente a 3,3% do PIB. Ou seja, mesmo com uma carga recorde de impostos, o governo não está conseguindo cobrir todas as despesas. Por isso, o Brasil foi rebaixado pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) na última segunda-feira.

Quando assumiu o governo, a presidente Dilma Rousseff havia prometido cortar os gastos públicos como forma de ajudar o BC a controlar a inflação. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, tinha se comprometido, inclusive, a chegar 2014 com deficit nominal zero. Os números, porém, explicitam que nada foi feito para pôr fim à farra fiscal. O resultado é que o próximo comandante do país, que tomará posse em 2015, seja ele Dilma, seja alguém da oposição, terá de impor um arrocho sem precedentes nas contas públicas se quiser arrumar a casa e evitar que o custo de vida se mantenha persistentemente próximo do teto da meta perseguida pelo BC, de 6,5%.

Leia mais notícias de Economia

“Diante dos atuais resultados fiscais, e, sobretudo, devido ao baixo ritmo de crescimento da economia, há grandes chances de o deficit nominal alcançar 4% do PIB ainda neste ano”, projetou o especialista em contas públicas Mansueto Almeida, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A última vez que o rombo passou de 4% foi em novembro de 2009, quando o Brasil e o mundo ainda enfrentavam dificuldades para sair da maior crise financeira mundial em 80 anos.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Sergio Marques dos Santos
Não precisa de especialistas em economia e ou gestão pública para ver o dinheiro indo pelo ralo,e, o pior de tudo isso que a Copa do Mundo vem ai, depois as eleições e ninguém vai lembrar de nada, quem lembra da França em 1998? Campeã era só felicidade, depois o pau quebrou, que o diga Jacques Chirac | Denuncie |

Autor: henrique gomes
A pergunta é uma só para vc. leitor pensar e se preparar p/ as eleições: É esse o governo que vc. quer para o seu Pais? | Denuncie |

Autor: Tarcísio Silva
Desculpe. Quando me referi a esta notícia, anteriormente, Falei que o ROMBO teria sido de 2 bilhões, quando na verdade é quase 20 bi. Pior ainda, não é verdade? MUDA BRASIL, as eleições vêm aí! | Denuncie |

Autor: Tarcísio Silva
Se o ROMBO nas Contas Públicas, em apenas dois meses, chega a quase dois bilhões, imaginem no transcurso dos 4 anos deste governo. Simplesmente estamos caminhan para bancarrota! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

:: Publicidade



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas