publicidade

Empresários são penalizados com a burocracia, diz presidente da Fenacon

Ele ainda afirma que o setor quer fazer pressão para conscientizar os parlamentares sobre o debate

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 02/04/2014 18:13 / atualizado em 03/04/2014 20:18

Diego Amorim


O excesso de burocracia e de tributos travam o avanço do setor de serviços no Brasil, responsável por cerca de 80% da criação de empregos no país. As angústias dos empresários, compartilhadas pelos consumidores, foram compiladas na segunda edição de um documento lançado nesta quarta-feira pela Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas (Fenacon), entidade que representa 62 atividades.

A segunda edição da agenda política e legislativa — a ideia é elaborá-la todos os anos — apresenta 72 pontos de interesse do setor. A Fenacon analisou projetos de lei em andamento no Executivo e o resultado dessa análise será entregue a todos os senadores e deputados. “A maioria deles, todos nós sabemos, vota a pedido do partido. Queremos ajudá-los a perceber a importância dessa discussão para o país”, comenta o presidente da entidade, Mario Elmir Berti.

Entre os destaques, está um pedido de maior atenção à Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, sancionada em 2006, mas que, na avaliação da Fenacon, está longe de ser eficaz. A pesada carga tributária também aparece como um dos principais entraves. “Somos os que mais geramos emprego e, ainda assim, somos penalizados pelo governo”, constata Berti. “Nossa intenção é, sim, fazer uma certa pressão para que os parlamentares tenham consciência desse debate”, emenda.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade