Economia
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Órgãos do Executivo e do Legislativo dizem que correção no IR é inviável O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) pediu a correção de 61,24%, referente à inflação acumulada no período e não atualizada no cálculo da tabela do IR

Bárbara Nascimento

Publicação: 03/04/2014 06:04 Atualização:



No que depender do Executivo e do Legislativo, não haverá alteração na tabela progressiva do Imposto de Renda. A Advocacia-Geral da União (AGU), a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e o Senado Federal enviaram, na semana passada, um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo as normas aplicadas atualmente pela Receita Federal. A Corte solicitou a esses órgãos que enviassem explicações sobre o assunto depois de o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) ter pedido, no tribunal, a correção de 61,24%, referente à inflação acumulada no período e não atualizada no cálculo da tabela do IR.

Leia mais notícias de Economia

As três instituições contestaram, ponto a ponto, os argumentos do conselho da OAB para defender a correção do valor, que é atualizado abaixo do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) há duas décadas. Como os salários, em média, têm crescido acima da inflação, a lista do Leão é engordada a cada ano por trabalhadores de renda mais baixa. A ordem dos advogados alega, em Ação Direta de Inconstitucionalidade, que isso fere a Constituição.

No parecer, a PGFN afirma que “rebaterá e informará todos os argumentos e os fundamentos contidos na petição inicial e que demolirá os seus frágeis alicerces jurídicos”. O principal argumento usado pela Fazenda Nacional e pela AGU é que o Supremo já possui jurisprudência sobre o assunto em outra ação semelhante, movida pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Wesley Alves
Quem ver assim parece que o legislativo é eleito pelo executivo. O trabalhador mais uma vez oprimido pelo Leviatã (Estado). | Denuncie |

Autor: Antonio Silva
"Inviável" pra um governo que faz uma política fiscal CONFISCATÓRIA | Denuncie |

Autor: Alvaro Brito
Fundo de Participação dos Municípios é transferência constitucional (CF, Art. 159, I, b), da União para os Estados e o DF, composto de 22,5% da arrecadação (IR) e do (IPI). Acham que estados vão perder 22,5% ao mês? Melhor seria transferir o R$ para educação, ao menos o R$ é mais bem aplicado!. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas