Economia
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Sem trégua, inflação de abril pode ir a 0,85%, segundo analistas Ata do Copom abre divisão no mercado. Uma parte dos analistas acredita em fim do aumento dos juros. Outra prevê nova alta de 0,25 ponto percentual em maio, diante da resistência da carestia, puxada pelos alimentos

Antonio Temóteo

Publicação: 11/04/2014 06:00 Atualização:

Apesar do otimismo demonstrado pelo governo, ressaltando que o pior da inflação ficou para trás após o surpreendente aumento de 0,92% em março, as previsões do mercado para a carestia nos próximos meses só pioram. Os analistas preveem um abril de reajustes disseminados e estimam que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) chegará a até 0,85%, puxado, além da comida, pela alta da energia elétrica, dos remédios e dos serviços (manicure, cabeleireiro, mecânico, entre outros).

Em meio às divergências de projeções sobre os rumos do custo de vida, os consumidores não têm dúvidas de que a inflação está fazendo um estrago no seu orçamento. Os mais pobres que o digam. Entre as famílias com renda mensal de até 2,5 salários mínimos, a carestia cravou elevação de 0,85% em março, conforme o Índice de Preços ao Consumidor — Classe 1 (IPC-C1), da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Leia mais notícias de Economia

A expectativa do governo era de que as desconfianças do mercado em relação à inflação diminuíssem com a divulgação, ontem, da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na qual os juros subiram de 10,75% para 11% ao ano. Mas, em vez de um documento consistente, o que se viu foi um rol de dubiedades, detonando uma onda de ruídos. Abriu-se um fosso entre os analistas. Uma leva deles entendeu que o BC encerrou o processo de aumento da taxa básica (Selic), mesmo com a carestia em disparada. Outra, consolidou a visão de que ainda haverá nova alta de 0,25 ponto percentual em maio.

A ordem no Palácio do Planalto é para que se mantenha, a todo custo, o discurso positivo. O temor é de que o quadro mais negativo se confirme, com estouros sucessivos do teto da meta de inflação, de 6,5%. A se consolidar tal previsão, a meta de reeleição da presidente Dilma Rousseff poderá se perder no meio do caminho. Foi o aumento do custo de vida que derrubou em seis pontos percentuais as intenções de voto da presidente segundo as últimas pesquisas.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: José A. S. Neto
Povão ! ! ! Uma proposta: EM VEZ DE PROTESTOS, VAMOS AGIR CONTRA QUEM AUMENTA PREÇOS ? ? ? ------ Quer seja de impostos, quer seja de alimentos, quer seja vestuário, quer seja de moradia, quer seja de manufaturados, quer seja de serviços ? ? ? ? Quem faz isso não tem a mínima consciência social ? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

:: Publicidade



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas