Economia
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Para evitar racionamento, hidrelétricas podem ser desligadas à noite Na tentativa de evitar o racionamento de energia, governo estuda parar turbinas de empresas da Eletrobras a fim de reduzir o consumo. Nível das usinas do Sudeste deve fechar abril em 36,8%, abaixo dos 43% esperados

Antonio Temóteo

Publicação: 12/04/2014 07:11 Atualização:



O risco de racionamento de energia elétrica é cada vez maior com o prolongamento da estiagem. Se o apagão se concretizar, analistas avaliam que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encolherá ainda mais em 2014 e potencializará as chances de a atividade econômica ficar próxima de zero no próximo ano. Apesar do discurso otimista determinado pela presidente Dilma Rousseff, o governo já teve acesso a dados que indicam que o período de seca a partir de maio pode ser mais forte que o esperado, justamente quando a demanda deverá aumentar por causa da Copa do Mundo.

Caso isso ocorra, o Palácio do Planalto terá de obrigar os brasileiros a diminuírem o consumo de energia, algo com potencial explosivo para a candidatura à reeleição de Dilma, que, para garantir votos, interveio nas concessionárias e as obrigou a reduzir as tarifas sem dar as devidas condições para isso. O dado mais assustador para o governo foi apresentado em uma reunião de emergência, na quarta-feira, com representantes do setor elétrico pelo Operador Nacional do Sistema (ONS): as represas no Sudeste chegarão ao fim de abril com 36,8% da capacidade de armazenamento em vez dos 43% projetados para não haver racionamento.

Para evitar o corte no consumo, o governo deve recomendar, no curto prazo, um programa de racionalização no uso de energia entre os grandes consumidores industriais. Também poderá obrigar as empresas do sistema Eletrobras a desligarem as turbinas de geração durante a noite. Essa medida, no entanto, tende a ser um tiro no pé, uma vez que aumenta o risco de que os equipamentos sofram panes. Procurado, o Ministério de Minas e Energia negou que haja um risco de racionamento no país e também afirmou que desconhece qualquer debate sobre o incentivo à racionalização de energia.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: raimundo perna
O tiro não foi no pé, foi no ânus.Finalmente a falta de investimento volta em forma de revolta do povo.Vai dar roque.Partido safado,governantes corruptos e .... chegou a hora e também vou cantar . | Denuncie |

Autor: José Ferreira Ferreira
Em vez de terem investido nessa famigerada copa, que não trouxe e não trará benefícos algum para a população, deveriam ter investidos pesado em hidrelétricas, eólicas, solar etc... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas