publicidade

Belchior acredita que diretoria do IBGE solucionará crise do órgão

A ministra ainda que não há qualquer receio do governo em relação aos dados a serem divulgados pela PNAD

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 15/04/2014 13:03

Bárbara Nascimento

A ministra do Planejamento Miriam Belchior afirmou que, apesar de estar acompanhando de perto a crise institucional que se instaurou no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), confia que a própria diretoria do órgão de pesquisas irá encontrar uma solução para o problema. A chefe da pasta reitera ainda que não há qualquer receio do governo em relação aos dados a serem divulgados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua).

“O IBGE está refazendo o plano de trabalho para divulgar a PNAD Contínua. Considero que ainda bem que (esse problema) veio à tona nesse momento, porque acho que o IBGE tem sim capacidade de reformular o cronograma”, afirmou, durante a coletiva de divulgação do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias, nesta manhã.

Leia mais notícias em Economia

“Quanto às insinuações de que o governo temeria os dados, gostaria de dizer que, se tem uma coisa que esse governo não se preocupa é com os dados de criação de emprego. De 2012 para 2013, a taxa de desemprego caiu 4% na PNAD Contínua, mostrando a dinâmica do mercado de trabalho no interior do país. Ou seja, qual seria o interesse do governo de esconder essa informação”, completou.

A crise foi engatilhada quando a presidente do IBGE anunciou, no último dia 10, que a pesquisa seria suspensa até janeiro de 2015 para que a metodologia fosse revista. Isso porque o IBGE estava trabalhando com um calendário diferente do que seria necessário para que os dados fossem utilizados no cálculo do rateio do Fundo de Participação dos Estados (FPE), conforme explica a ministra. Após o anúncio, duas diretoras pediram exoneração do cargo, 18 coordenadores e 45 técnicos divulgaram duas cartas abertas defendendo o não adiamento da pesquisa.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade