Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

'Troika' faz última visita a Portugal, três anos depois do resgate A saída definitiva dos chamados "Homens de Preto" não deve acabar com o severo tratamento de austeridade em vigor há três anos

France Presse

Publicação: 22/04/2014 17:52 Atualização:

A 'troika' (UE-FMI-BCE) iniciou nesta terça-feira (22/4) em Lisboa sua última análise do programa de austeridade de Portugal, que se prepara para seguir o exemplo irlandês e se tornar o segundo país da Zona do Euro a deixar com êxito a tutela de seus credores.

Portugal vai escapar da humilhação de um segundo plano de resgate: "Não é uma análise qualquer, é a última. É o exame que deve nos permitir conseguir a nossa autonomia política e financeira", insistiu o vice-primeiro-ministro Paulo Portas.

Muita aguardada pela população, a saída definitiva dos chamados "Homens de Preto" não deve, no entanto, acabar com o severo tratamento de austeridade em vigor há três anos.

A "disciplina orçamentária" foi a expressão mais repetida nas reuniões desta terça entre os representantes da 'troika' e dos partidos políticos.

"Temos uma certeza: o governo se comprometeu a manter a austeridade e continua a negociar mais cortes nos salários e nas aposentadorias", afirmou Eurico Brilhante Dias, um dos líderes da oposição socialista.

"Os problemas de Portugal não começaram com a chegada da 'troika' e não vão desparecer com a sua saída. Ainda temos um longo caminho a percorrer", reconheceu Miguel Frasquilho, deputado do partido do governo PSD (centro-direita).

Leia mais notícias em Economia

O governo faz suspense sobre o destino do plano de ajuda previsto para o dia 17 de maio: Vai optar por uma linha de crédito de precaução ou por um retorno aos mercados à irlandesa, sem uma rede de segurança?

A resposta é aguardada para antes de 5 de maio, data da próxima reunião dos ministros das Finanças da Zona do Euro que deve oficializar o destino de Portugal, que recebeu um plano de ajuda de 78 bilhões de euros, cinco meses depois da Irlanda.

Em um teste crucial, Portugal tentará na quarta-feira voltar ao mercado da dívida de longo prazo, com sua primeira emissão regular para dez anos desde o seu pedido de ajuda, em abril de 2011.

"Portugal deve ser muito bem sucedido. Esta nova emissão é um passo a mais no caminho da saída do plano de ajuda sem linha de crédito adicional", comentou à AFP Jesus Castillo, analista do banco francês Natixis.

Outros, como o comissário europeu de Relações Econômicas Olli Rehn, defendem um programa de precaução, considerando "que é melhor prevenir do que remediar".

"Mesmo que a emissão de quarta-feira se revele um sucesso, isso não garante um percurso sem obstáculos. Os mercados são muito voláteis", disse Paula Carvalho, economista do Banco Português de Investimento.

Com o objetivo de tranquilizar seus credores sobre a manutenção do programa de rigor, Portugal já anunciou que vai economizar 1,4 bilhão de euros para 2015.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

:: Publicidade



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas