Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Autoridades ignoram risco de racionamento elétrico e adiam medidas Os reservatórios das hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste estão com 37% da sua capacidade

Simone Kafruni

Publicação: 23/04/2014 06:00 Atualização: 22/04/2014 22:57

Baixo nível de represas, como a de Furnas em São João da Barra (MG), faz custo da eletricidade bater recorde (Paulo Whitaker /Reuters - 14/1/13)
Baixo nível de represas, como a de Furnas em São João da Barra (MG), faz custo da eletricidade bater recorde


Apesar da crescente insegurança do mercado com o abastecimento nacional de eletricidade, o governo preferiu anunciar medidas corretivas apenas nos 45 minutos do segundo tempo, quando poderá ser tarde demais. Em abril, no derradeiro mês do período chuvoso, os reservatórios das hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste estão com 37% da sua capacidade, conforme dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O ideal, dizem as próprias autoridades, é entrar na estação seca, a partir de maio, com o nível das represas em, pelo menos, 43%.

Ontem, o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, minimizou o problema. Segundo ele, o clima úmido ainda não acabou. “Está chovendo. Temos alguns dias pela frente, e é preciso aguardar o fechamento de abril para ver o volume de água nos rios, que importa mais do que a chuva, apesar de uma coisa depender da outra. Isso porque quando chove nas cabeceiras leva um tempo para a água fluir e chegar aos reservatórios”, explicou.

Rufino destacou que possíveis medidas só serão avaliadas na próxima reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), marcada para a primeira semana de maio. “A não ser que haja alguma convocação extraordinária antes disso”, ressaltou. O diretor da Aneel afirmou, contudo, que o primeiro empréstimo bancário para cobrir os altos custos das distribuidoras em razão da estiagem será de R$ 4,7 bilhões.

O valor corresponde a 42% dos R$ 11,2 bilhões que devem ser captados para cobrir gastos extras no setor este ano, reflexo do uso intensivo de termelétricas. Ontem, assembleia geral extraordinária da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) aprovou a contratação do empréstimo para ajudar as distribuidoras com gastos a curto prazo. Nove dos 13 bancos anunciados como participantes da operação confirmaram. Outros dois ainda avaliam.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas