Economia
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Projeção para a inflação alcança o teto da meta e chega a 6,5% A projeção das instituições financeiras para a Selic foi mantida em 11,25% ao ano, ao final de 2014, e em 12% ao ano, no fim de 2015

Agência Brasil

Publicação: 28/04/2014 09:23 Atualização:

A projeção de instituições financeiras para a inflação, continua no limite superior da meta. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) que chegou a 6,51%, na semana passada, agora está em 6,50%. Essa projeção é resultado de pesquisa semanal, feita pelo Banco Central (BC), com instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos. Para 2015, a mediana (desconsidera os extremos nas projeções) das expectativas segue em 6%.

Apesar de a projeção para este ano ter ficado no limite, a estimativa está acima do centro da meta de inflação (4,5%). É função do Banco Central fazer com que a inflação, medida pelo IPCA, fique dentro da meta. Um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação, é a taxa básica de juros, a Selic.

Quando o Comitê de Política Monetária do Banco Central aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação.

Leia mais notícias em Economia

O BC tem que encontrar equilíbrio ao tomar decisões sobre a taxa básica de juros, de modo a fazer com que a inflação fique dentro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. A projeção das instituições financeiras para a Selic foi mantida em 11,25% ao ano, ao final de 2014, e em 12% ao ano, no fim de 2015.

A pesquisa semanal do BC também traz a mediana das expectativas para a inflação medida Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI), que passou de 7,35% para 7,34%, em 2014, e continua em 5,50%, em 2015. Para o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), a estimativa foi mantida em 7,20%, este ano, e em 5,50%, em 2015. A estimativa da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) foi ajustada de 6,19% para 6,20%, este ano, e permanece em 5%, em 2015.

A estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, passou de 1,63% para 1,65%, este ano, e segue em 2%, em 2015. A projeção para a cotação do dólar foi mantida em R$ 2,45, este ano, e ajustada de R$ 2,51 para R$ 2,50.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: José A. S. Neto
Até por volta de 1966, algumas escolas de grau médio tinham uma matéria que chamava "PRÁTICAS COMERCIAIS" que ensinavam exatamente o que precisamos para acabar com a inflação. Veio a ditadura e acabaram com esta disciplina e começou a desgraça da inflação. É urgente ensinar isso novamente ! ! ! | Denuncie |

Autor: José A. S. Neto
O povo tem que ser inteligente e inverter o raciocínio. EM VEZ DE CORRER ATRÁS DO QUE COMPRAR ------ FAZER COM QUE QUEM VENDE TENHA QUE CORRER ATRÁS DO NOSSO RICO DINHEIRINHO ! ! ! ------ Só isso ! ! ! | Denuncie |

Autor: José A. S. Neto
O povo brasileiro tem que aprender a gastar bem o seu rico dinheirinho. Enquanto isso não acontecer, sempre existirá inflação (e os que aumentam preços sem nenhuma consciência). Vamos aprender a comprar somente o necessário, não endividar, não afundar em cartão de crédito e POUPAR ! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas