Economia
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ajustes em programa social e IR custarão R$ 8,9 bilhões às contas públicas Aumento do Bolsa Família e atualização da tabela do IR, anunciados pela presidente, agravarão deficit das contas públicas do país

Simone Kafruni

Publicação: 02/05/2014 08:28 Atualização: 02/05/2014 08:52

Para especialistas, Dilma está mais preocupada com as pesquisas eleitorais do que com a saúde financeira do país (Ueslei Marcelino/Reuters)
Para especialistas, Dilma está mais preocupada com as pesquisas eleitorais do que com a saúde financeira do país

A decisão política da presidente Dilma Rousseff — em queda nas pesquisas eleitorais — de reajustar o Bolsa Família em 10% e corrigir a tabela do Imposto de Renda (IR) em 4,5%, custará R$ 8,9 bilhões aos cofres públicos em 2014 e 2015. O Ministério da Fazenda estimou que apenas o impacto da atualização do IR será de R$ 5,3 bilhões no ano que vem. Pelas contas do economista-chefe do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, no caso do Bolsa Família, o gasto adicional em 2014 será de R$ 1,3 bilhão. Em 2015, já com o futuro presidente empossado, a fatura subirá para R$ 2,3 bilhões.

Parte dessa fatura, conforme Goldfajn, será paga pelo recente aumento dos impostos sobre bebidas (cervejas, refrigerantes e sucos), que deve elevar as receitas em R$ 3,6 bilhões. Muitos especialistas acreditavam que a elevação da alíquota seria usado para pagar a conta da energia elétrica, mas o pronunciamento da presidente, na véspera do Dia do Trabalho, deixou claro que ela está mais preocupada em brecar a queda nas pesquisas eleitorais.

Leia mais notícias em Economia

“Uma política orçamentária expansionista continua em vigor”, acrescentou Goldfajn. Justamente no pior momento fiscal, quando o superavit primário (economia para pagar juros da dívida) fechou os primeiros três meses do ano em R$ 13,048 bilhões, equivalente a 1,08% do Produto Interno Bruto (PIB). O pior resultado para um primeiro trimestre desde 2010. “Nós continuamos a ver ventos contrários para o governo atingir a meta deste ano (1,9% do PIB). Prevemos um superavit primário de 1,3% do PIB”, ressaltou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: zeze filho
Enquanto isso, servidores do poder judiciário estão há 8 anos sem reajuste salarial. | Denuncie |

Autor: Anilton Moccio
Associar a correção da tabela de IR em 4,5% ao pacote de bondades não esta correto, se tivesse corrigido em 45%, talvez fosse. | Denuncie |

Autor: ADRIANO MAGALHÃES
Isso não seria propaganda eleitoral? Tudo bem que o do imposto de renda é propaganda eleitoral negativa, mas a classe média não é o eleitorado dela. E4,5% é muito pouco. já o da bolsa é propaganda MESMO, atinge muitos eleitores. | Denuncie |

Autor: Vanderlei Alles
E brasileiro o que ganha?!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas