publicidade

Procurador-geral dos EUA garante que "não há bancos acima da lei"

A declaração foi feita em meio a investigações contra bancos europeus por evasão fiscal e lavagem de dinheiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 05/05/2014 13:31

France Presse

Washington - O secretário de Justiça e procurador-geral dos Estados Unidos, Eric Holder, advertiu nesta segunda-feira (5/5) que nenhuma instituição financeira deve se considerar "acima da lei", em meio a investigações contra bancos europeus por evasão fiscal e lavagem de dinheiro.

Fontes oficiais americanas indicaram que as investigações em curso contra os bancos BNP Paribas e Credit Suisse vão levar à apresentação de acusações formais contra as empresas. "Não mencionarei qualquer propósito específico, mas quero dizer o seguinte: tenho acompanhado pessoalmente o andamento das investigações em curso e estou determinado a fazer com que rendam frutos", disse Holder em sua declaração semanal. "Quero reafirmar o princípio de que nenhuma pessoa ou qualquer entidade que produz danos à nossa economia nunca estará acima da lei", acrescentou.

Leia mais notícias em Economia

O BNP está sendo investigado por lavagem de dinheiro e violação das sanções americanas contra certos países, de acordo com uma fonte próxima ao caso. Já o Credit Suisse é o principal alvo de uma investigação por evasão fiscal. A empresa é acusada de ter protegido os fundos de ricos clientes americanos, em grande parte não declarados ao fisco. As duas instituições financeiras, bem como 10 outros bancos, também estão sujeitas a responder a uma queixa por manipulação do mercado financeiro, apresentada por um grupo de investidores e fundos de pensão.

Holder garantiu que é "possível punir criminalmente as empresas que não cumpriram com a lei, qualquer que seja o seu tamanho". "Nenhuma instituição é grande demais para ser investigada", insistiu o secretário. Enquanto isso, uma autoridade americana disse à AFP que as declarações de Holder podem ser a antecipação de acusações criminais contra BNP Paribas e Credit Suisse, o que pode acontecer "em um futuro próximo".

publicidade

publicidade