publicidade

Marcha dos sem-terra chega em acampamento na capital paulista

O movimento reivindica que a reforma agrária seja acelerada. Segundo o MST, 150 mil famílias aguardam a regularização de terras em todo o país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 07/05/2014 12:49

Agência Brasil

Os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que caminharam em marcha na manhã desta quarta-feira (7/5) em Osasco, Grande São Paulo, chegaram por volta do meio-dia ao acampamento onde se instalarão na capital paulista. Eles ficarão em uma escola do bairro do Butantã, zona oeste – espaço cedido pela prefeitura.

Segundo os coordenadores do movimento, cerca de mil pessoas participam da manifestação, que faz parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, iniciada no dia 28 de abril e que termina no dia 10 de maio. O movimento reivindica que a reforma agrária seja acelerada. Segundo o MST, 150 mil famílias aguardam a regularização de terras em todo o país. No estado de São Paulo, aproximadamente 4 mil famílias vivem em 50 acampamentos do MST. Algumas delas aguardam há mais de dez anos pela desapropriação de terrenos.

Leia mais notícias em Economia

A marcha, que tem como objetivo principal chamar a atenção para a reforma agrária, começou terça-feira (6/5) em Itapevi. Em Osasco, os sem-terra dormiram em um ginásio da prefeitura. Antes, eles passaram também pela cidade de Jandira, onde fizeram um protesto contra a prefeitura local por não ter disponibilizado infraestrutura. Para hoje, não estão programadas mais atividades para o resto do dia. Amanhã (8) e sexta-feira (9), o movimento faz uma série de ações na capital paulista, ainda não divulgadas.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade