Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Projeto atende jovens nadadores depois de destruição de piscina para Copa "Esse projeto tem dez anos e utilizamos como forma de socialização, entendemos o esporte como igualdade", diz coordenador da ação

Agência Brasil

Publicação: 07/05/2014 12:55 Atualização:

As águas transparentes e tranquilas da Praia da Barra, em Salvador, ganham movimento logo cedo. Junto com os pescadores que retornam do mar, chegam dezenas de crianças que desembarcam de pequenos barcos, tomam café da manhã e estão prontas para aulas de natação. Elas fazem parte do projeto social Ação Tri que recebe jovens de comunidades de encostas próximas.

A iniciativa, comunitária, atende a crianças de projetos sociais que ficaram sem ter como treinar depois que a única piscina pública e olímpica da capital baiana foi aterrada para obras da Arena Fonte Nova, estádio que vai receber os jogos da Copa do Mundo. Na Bahia, estado com um dos maiores índices de afogamento no país, atrás apenas de São Paulo, o coordenador do projeto, Alberto Lopes, destaca que faltam alternativas de esporte e lazer para as crianças, principalmente àquelas dos bairros pobres de Salvador. “Esse projeto tem dez anos e utilizamos como forma de socialização, entendemos o esporte como igualdade. No esporte, não importa se é rico ou pobre. No mar, de sunga, todo mundo é igual.”

Leia mais notícias em Brasil

Confira a cobertura multimídia completa

Na Praia da Barra, a professora Sulamita Peixinho complementa os treinos do Ação Tri. Ela recebe os adolescentes mais talentosos e os transforma em atletas. Os alunos são geralmente pobres e negros, características que ficam evidentes nas competições. Por causa da diferença, muitos sofrem com práticas desleais. “Sofri desrespeito de vários colegas da natação. Também sofri racismo e preconceito. Quando entramos [na piscina], fomos chamados de favelado. Aí a gente ergue a cabeça e segue em frente”, diz Jardel de Souza, 17 anos.

Na periferia de Salvador, o bairro de Cajazeiras foi escolhido para receber o novo Ginásio de Esporte da capital baiana. O antigo ginásio olímpico Antônio Balbino também foi abaixo, junto com a piscina olímpica, para reforma da Arena Fonte Nova. A previsão é que uma nova estrutura seja entregue antes das eleições, segundo o engenheiro responsável pela obra. Procurados pela reportagem, o governo da Bahia e a prefeitura de Salvador não informaram quando a nova piscina olímpica fica pronta e quantas crianças eram atendidas pelos projetos sociais.

O projeto que deu origem a esta reportagem foi vencedor da Categoria Rádio do 7º Concurso Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, realizado pela Andi, Childhood Brasil e pelo Fundo das Nações Unidos para a Infância (Unicef).

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas