publicidade

Fundo da Finep, Embraer e BNDS fortalecerá cadeia produtiva aeroespacial

A BNDES Participações, a Finep e a Embraer participarão do fundo com R$ 40 milhões cada, enquanto o Desenvolve SP entrará com R$ 10 milhões e a Port Bank, gestora do fundo, com R$ 1,3 milhão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 07/05/2014 17:16 / atualizado em 07/05/2014 17:13

Em uma iniciativa conjunta com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), a Embraer e a Agência de Desenvolvimento Paulista (Desenvolve SP), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou nesta quarta-feira (7/5), no Rio de Janeiro, o Fundo de Investimento em Participações (FIP) Aeroespacial. Esse é o primeiro fundo destinado ao setor lançado na América Latina.

Segundo informou o BNDES, o objetivo do FIP é fortalecer a cadeia produtiva aeroespacial, aeronáutica, de defesa e de segurança, além de estimular a integração de sistemas vinculados a esses setores, mediante o apoio a pequenas e médias empresas fornecedoras de bens e serviços.

O fundo terá patrimônio inicial de R$ 131,3 milhões. A BNDES Participações (Bndespar), subsidiária do BNDES, a Finep e a Embraer participarão do fundo com R$ 40 milhões cada, enquanto o Desenvolve SP entrará com R$ 10 milhões e a Port Bank, gestora do fundo, com R$ 1,3 milhão.

Leia mais notícias em Economia

O FIP é um fundo de 'venture capital' (capital empreendedor) e será destinado a empresas inovadoras nacionais de pequeno e médio porte, que apresentem faturamento bruto de até R$ 200 milhões por ano.

O fundo foi estruturado com investimento em capital de risco (corporate venturing), que se baseia no esforço corporativo de uma empresa estratégica - no caso a Embraer. Dessa forma, o fundo estabelece um vínculo entre a empresa âncora e iniciativas inovadoras do segmento aeroespacial, para a incentivar investimentos.

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, ressaltou a prioridade dada pela instituição ao financiamento de micro e pequenas empresas de base tecnológica que integrem cadeias produtivas importantes e que tenham o suporte de grandes empresas. “Esperamos e estamos trabalhando para que outras empresas sigam o caminho trilhado pela Embraer”, disse.

Já o presidente da Finep, Glauco Arbix, salientou a importância do capital de risco para o financiamento de projetos, “principalmente porque cria um ambiente de investimento constante”. Arbix disse que a participação de empresas líderes em vários segmentos da economia contribui para diminuir os riscos e impulsionar investimentos em empresas de base tecnológica.

O presidente da Finep manifestou, ainda, a intenção de reproduzir a iniciativa para outras cadeias produtivas, entre as quais a de óleo e gás, tendo a Petrobras como empresa líder, e também a cadeia de tecnologia da informação.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade