Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Nova tecnologia para smartphones será testada e validada no Brasil A inovação pode trazer mudanças desde os custos de fabricação até o desenvolvimento do aparelho

Agência Brasil

Publicação: 08/05/2014 19:45 Atualização:

Uma nova tecnologia para produção de smartphones será testada e validada por indústrias instaladas no Brasil. A tecnologia, que pode ter impacto sobre tamanho, performance, velocidade e custo de fabricação dos telefones, deve chegar ao mercado entre o final deste ano e o início do próximo

 (Anne-Cristine Poujoulat)


Os testes em empresas brasileiras ocorrerão em função de acordo firmado nesta quinta-feira (8/5) por três ministérios – Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; Ciência, Tecnologia e Inovação e das Comunicações –, com a desenvolvedora de semicondutores e de celulares norte-americana Qualcomm. A empresa fará transferência de tecnologia às companhias brasileiras.

“Terá transferência de tecnologia do ponto de vista do projeto, de linhas de produção e montagem e de validação comercial. A ideia é que a produção se dê este ano no Brasil. O primeiro ganho é a experiência que [a indústria brasileira obterá]. A validação sendo positiva, o Brasil sai na frente dos outros países nas exportações desse produto”, disse Ricardo Schaefer, secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Segundo ele, duas empresas com sede no Brasil devem participar do processo, mas os nomes não foram divulgados.

De acordo com Rafael Steinhouser, vice-presidente sênior e presidente para a América Latina da Qualcomm, o Brasil será uma plataforma de testes para o novo produto. Ele disse que não poderia dar detalhes sobre a tecnologia por questões estratégicas. O acordo assinado hoje não prevê exclusividade com os brasileiros.

A Qualcomm faz design de componentes e contrata parceiros para a fabricação dos produtos. “Dependemos de uma grande quantidade de empresas muito sofisticadas que fazem esses produtos, centenas de milhões de dispositivos por ano”, explicou Steinhouser.

Leia mais notícias em Economia


Além dos testes e da validação de tecnologia, a empresa norte-americana acertou com o governo brasileiro a participação em um grupo de trabalho que pesquisará estratégias para a inserção do Brasil no mercado de semicondutores. “Nos últimos anos, o Brasil conseguiu criar um pequeno ecossistema de semicondutores. Temos vários investimentos no país na produção de chips. Agora vamos dar um salto de qualidade nesse trabalho”, destacou o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento.

Segundo Ricardo Schaefer, o mercado movimentará US$ 351 bilhões em 2014. No entanto, segundo o governo, a balança comercial brasileira é deficitária em US$ 25 bilhões em microeletrônicos, dos quais de US$ 11 bilhões a US$ 12 bilhões dizem respeito a semicondutores. “O smartphone hoje é o grande instrumento de inclusão digital. Se não trabalharmos nesses componentes, vamos gerar déficit na balança maior do que nós temos anualmente”, declarou.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas