Economia
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Diretor do BC defende política de alta da Selic para conter inflação A diminuição do choque dos preços dos alimetos ajudou a reduzir a expectativa de inflação no país, segundo Luiz Awazu Pereira

Agência Brasil

Publicação: 13/05/2014 15:30 Atualização:

Os choques de preços de alimentos no mercado interno brasileiro está começando a diminuir, na avaliação do diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central (BC), Luiz Awazu Pereira. Ele participou de evento Brazil Business Summit, promovido pela revista The Economist, em Paris, nesta terça-feira (13/5).

Para Awazu, a diminuição desses choques ajudou a reduzir a expectativa de inflação no país. Ele reforçou que os efeitos dos aumentos da taxa básica de juros, a Selic, para conter a inflação, são cumulativos e acontecem com defasagens. “Não deve haver nenhuma dúvida de que a política [de alta da Selic] é eficaz. Neste sentido, uma parte significativa dos preços resposta ao ciclo de aperto [monetário] ainda não se materializou”, destacou, em discurso publicado no site do BC.

A taxa Selic está atualmente em 11% ao ano, após nove altas seguidas. Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, o que gera reflexos nos preços, pois os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. O BC tem que encontrar equilíbrio ao tomar decisões sobre a taxa de juros, de modo a fazer com que a inflação fique dentro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. O centro da meta definido pelo governo é 4,5%, com limite superior de 6,5%. A expectativa de instituições financeiras é que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo fique em 6,39%, este ano.

Leia mais notícias em Economia

No evento em Paris voltado para empresários, Awazu também disse que o momento atual da economia mundial é complexo. “Por isso que no Brasil estamos trabalhando duro, muito duro. Não há descanso já que queremos proporcionar um crescimento sustentável, inclusão social e melhores oportunidades de investimento para a nossa sociedade e os nossos parceiros”, concluiu.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Tarcísio Silva
Só blá, blá, blá... A fatura a ser paga pelos brasileiros virá logo após as eleições: aumentos de luz, telefone, água, combustível, impostos, transporte etc. Legado deixado por este governo incompetente que está aí. Muda Brasil, enquanto é tempo! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas