Economia
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Interessados em imóveis buscam em cidades do Entorno alternativas ao Plano Em Ceilândia e Gama, o metro quadrado vale R$ 3,5 mil e R$ 3 mil

Célia Perrone

Publicação: 17/05/2014 06:04 Atualização:

Facilidades para obter crédito e pesquisar ofertas do mercado levaram Ézio Pinheiro a comprar ontem o primeiro imóvel em poucos minutos (Oswaldo Reis/Esp. CB/D.A Press)
Facilidades para obter crédito e pesquisar ofertas do mercado levaram Ézio Pinheiro a comprar ontem o primeiro imóvel em poucos minutos


O motorista Ézio André Pinheiro fechou na tarde de ontem a compra do seu primeiro imóvel, um apartamento de dois dormitórios em Valparaíso (GO), por R$ 102 mil, com entrada de R$ 5 mil e prestação de R$ 586. Ele estava procurando há um ano e meio e não teve dúvida quando viu que a mensalidade caberia no bolso. As facilidades do 10º Feirão da Caixa, que foi aberto ontem e vai até amanhã, também ajudaram na decisão da compra: várias ofertas reunidas num só lugar, opções de pagamento e crédito de R$ 200 mil aprovado rapidamente. Ézio também confirma a tendência apontada pelos agentes desse mercado, de crescimento dos negócios envolvendo cidades do Entorno de Brasília.

A gerente da Caixa Econômica Federal, Cristina Azevedo, que orienta o público no Feirão, espera grande movimento neste fim de semana, sobretudo hoje. Ela contou que, para este ano, foram feitas mudanças para facilitar as vendas. Entre elas está a presença de um funcionário terceirizado das construtoras e imobiliárias dedicado a fazer a simulação e a avaliação do imóvel direto no estande.

No ano passado, as pessoas chegavam e tinham que passar primeiro pelo pré-atendimento, simulavam se a renda daria para comprar e, se não desse, iam embora, às vezes, sem mesmo ver qualquer imóvel. Com os chamados correspondentes, os clientes têm mais liberdade para achar a moradia. Não precisam mais entrar em uma grande fila e nem ir ao balcão da Caixa para aprovar o financiamento.

Nesse esquema, o arquiteto Mark Alves Muniz e a professora Marcela Ribeiro Metsavaht iniciaram a busca de um imóvel de R$ 300 mil a R$ 350 mil, a partir de uma simulação pronta e o crédito aprovado. O casal gostaria de morar em Águas Claras mas, a pesquisa indicou que os preços da cidade estavam além de sua expectativa. Eles já consideram a hipótese de ir morar em outra cidade, como Ceilândia e Gama, onde o metro quadrado vale R$ 3,5 mil e R$ 3 mil, respectivamente.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Leon Silva
Como economista apoio as opiniões de não comprarem imóveis no entorno, às vésperas de uma bolha imobiliária e de eleições. Com mudança de governo no DF poderá ser fechado acordo com o MPF e IDHAB q liberará milhares de lotes de condomínio q vão baratear o custo de habitação no DF para quem não o tem | Denuncie |

Autor: GILMAR PEREIRA
centenas de milhares ja foram para o entorno onde podem comprar e só na hora de usar os hospitais que o governo do DF diz não ter nada a haver com o povo exportado daqui para lá | Denuncie |

Autor: Fernando Monteiro
Repito, não comprem imóveis no Entorno, irão se arrepender. Eu cai nesta armadilha a 13 anos atrás e me arrependo todos os dias da minha decisão. Paguem mais caro, mas morem no DF. | Denuncie |

Autor: Fernando Monteiro
Não façam isso. Eu moro no Entorno e digo para ninguém comprar lá, principalmente no Valparaíso. Não há nenhuma infraestrutura para as pessoas que lá residem, quem dirá para quem pretende mudar. Falta transporte, água, saneamento, segurança etc. A pior região do Brasil. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas