Economia
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Equipe econômica do governo terá de suar para fechar as contas Apesar de o Palácio do Planalto ter fixado uma meta mais realista de superavit primário para este ano, de 1,9% do PIB, a equipe econômica já precisou sair em busca de novas receitas fiscais para não frustrar as expectativas de analistas e de investidores

Deco Bancillon

Rosana Hessel

Célia Perrone

Publicação: 20/05/2014 08:13 Atualização: 20/05/2014 08:38

Diante da piora das contas públicas e da desconfiança geral do mercado financeiro na política fiscal, o governo decidiu agir. Para turbinar a arrecadação de impostos, técnicos da equipe econômica saíram em busca de possíveis novos alvos, para tentar compensar a frustração com o desempenho da economia, mais fraco do que o esperado.

Quando propôs a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano, o Ministério da Fazenda estimou em 3,5% o crescimento real da arrecadação federal. Mas, até março, o desempenho acumulado não chegou a 2%, já descontada a inflação no período. Sem os recursos projetados, ficou mais difícil atingir a meta de economizar parte do arrecadado para pagar os juros da dívida, o chamado superavit primário.

Leia mais notícias em Economia

Após anos sem cumprir as metas fiscais, o governo resolveu perseguir este ano um esforço menor, mas que pudesse ser cumprido sem precisar recorrer a medidas classificadas como “maquiagem contábil”. O objetivo para o setor público como um todo é economizar 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014.

Trata-se de um meta bem mais realista do que a projetada para o ano passado, quando o governo iniciou o ano dizendo perseguir esforço fiscal de 3,1% do PIB, e que, posteriormente, acabou tendo de admitir duas novas revisões. Primeiro, para 2,3% e, depois, para 1,9%, o mesmo patamar deste ano. “Apesar de crível, a meta não será alcançada”, apostou Felipe Salto, especialista em finanças.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Aloizio Filho
Poderia começar reduzindo o número de ministérios... 39 é demais. Economizaria bastante. Mas, ao invés de fazer isso, aumenta impostos e arrocha o salários dos servidores concursados... | Denuncie |

Autor: josé medeiros
Fácil como tomar um copo d'água: aplique-se a contabilidade criativa e está resolvido! 2015 é outra conversa! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

:: Publicidade



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas