publicidade

Chegada da seca já fez o preço do colírio disparar em Brasília

Chegada da estiagem dá empurrão extra de até 77% no preço do produto. Variação pesa nos indicadores gerais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 24/05/2014 08:00

Rosana Hessel

O recente aumento dos preços de medicamentos vem ajudando a elevar a inflação geral em abril e em maio. Para piorar, alguns produtos estão sendo reajustados bem acima da média de 7% autorizada pelo governo. Em Brasília, por exemplo, a chegada da seca já fez o valor dos colírios disparar. Há pouco mais de um ano, uma caixa de 10ml de uma solução para lubrificar os olhos da marca Optive custava de R$ 18 a R$ 22 e, agora, está na faixa de R$ 26,40 a R$ 32, mesmo com descontos nas grandes lojas do ramo em várias capitais brasileiras, conforme pesquisa do Correio. Uma alta em torno de 45%. Outra marca mais popular, o Lacrima Plus, custava R$ 9 numa drogaria do Aeroporto de Congonhas (SP) e sai agora por até R$ 16 nas principais drogarias do país. Um salto de 77%.

O secretário do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Distrito Federal (Sincofarma-DF), José Aparecido Junqueira Guimarães, negou que as farmácias estejam mudando tabelas de preços em razão da sazonalidade. “Os produtos são tabelados e não é comum que os colírios fiquem mais caros em virtude da estação seca. Houve um reajuste recente, mas grandes aumentos são coisas do passado”, disse. De acordo com ele, os valores de 90% dos medicamentos tiveram alta dentro do limite permitido, a cada 12 meses. “Alguns itens tiveram reajuste elevado, mas a maioria ficou abaixo da inflação”, garantiu.

Os medicamentos foram um dos principais componentes da alta do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador subiu 0,69% na terceira quadrissemana de maio, encerrada na última quinta-feira. Esse percentual ficou levemente abaixo do 0,78% registrado na pesquisa anterior. Já o item saúde e cuidados pessoas foi o que mais subiu: 1,08%, apesar de apresentar um leve recuo em relação à elevação de 1,39% na segunda quadrissemana do mês.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade