Economia
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cota de vagas para negros em concursos deixa de fora as provas concorridas A lei deixa de fora as posições mais cobiçadas pelos concurseiros, como as de juiz e procurador. Especialista defende política de preferência até para cargos de confiança

Guilherme Araújo

Publicação: 26/05/2014 06:02 Atualização: 26/05/2014 08:48

Uma nova discussão sobre cotas para negros nos concursos públicos se desenvolve nos bastidores da Esplanada. Os especialistas defendem a elaboração de uma política de preferência para cargos de alto escalão no Judiciário. É que, mesmo quando sancionada, a lei que destina 20% das oportunidades para negros, aprovada na última terça-feira pelo Senado, só será aplicada nos certames do Executivo que oferecerem mais de três vagas. Concurseiros que disputarem cargos no Judiciário não serão beneficiados. E, mesmo que o sistema seja estendido aos outros Poderes, para os cargos mais cobiçados como os de juiz e procurador, geralmente, é oferecida apenas uma vaga por seleção.

O professor de antropologia da Universidade de Brasília (UnB) José Jorge de Carvalho considera necessário um incentivo do Estado para que a discussão sobre cotas de negros no alto escalão ganhe força. “Primeiramente, o exemplo deve vir do governo. De 39 ministros, temos um único negro. Isso torna o Executivo brasileiro o mais racista do planeta. A discussão sobre uma política de preferência deve ser feita com urgência, inclusive para os cargos de confiança”, observou.

Leia mais notícias em Economia

A estudante Jacqueline Ferreira, de 21 anos, acredita que as cotas são apenas uma medida paliativa à melhoria da educação. “Acho que as cotas sociais seriam mais adequadas, mas ainda assim não são a solução dos problemas. Se alguém já é capacitado com uma graduação, pode chegar mais longe. As cotas vão fazer a concorrência ainda maior”, afirma.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: CLEITON PEREIRA DA SILVA
-Acho que o povo brasileiro deve abrir seus olhos para essa tentativa de criar no Brasil um RACISMO como ocorre nos EUA.Para os negros isso é legal pois todos o chamam de coitadinho não consegue ser inteligente o que é um erro grave-QUER EXEMPLO MELHOR DO QUE O DO PRES DO STF um homem exemplo a todos | Denuncie |

Autor: Francisco Moreira
Esse projeto de lei não deveria nem ser discutido no nosso Parlamento. A marginalização no Brasil é do pobre e não do negro. Negro rico sem teve os mesmos acessos que os demais ricos. O pobre (branco ou negro) somente a muito pouco tempo começou a acesso às universidades e melhor preparo profissional | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas