publicidade

Investimento estrangeiro direto na América Latina soma US$ 184,9 bi

Os dados fazem parte de um levantamento divulgado hoje pela Comissão Econômica para a América Latina e Caribe

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 29/05/2014 13:04 / atualizado em 29/05/2014 19:21

Rosana Hessel

O volume de Investimento Estrangeiro Direto (IED) na América Latina e o Caribe chegou a US$ 184,9 bilhões em 2013, um aumento nominal de 5% sobre os US$ 177 bilhões computados em 2012, de acordo com um levantamento divulgado nesta quinta-feira (29/05) pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). A entidade informou que esse volume é o maior da história.

Apesar de receber o maior volume de investimentos da região – US$ 64 bilhões, ou 35% do bolo – , o Brasil registrou queda de 2% no ano passado na comparação com os US$ 65,3 bilhões registrados no ano anterior. Outros países apresentaram quedas maiores. O volume para a Argentina encolheu 25%, para US$ 9,1 bilhões, no mesmo período. O fluxo de IED para o Chile despencou 29%, para US$ 20,2 bilhões, e o para o Peru, caiu 17%, para US$ 10,2 bilhões.

Leia mais notícias em Economia

De acordo com a Cepal, os fluxos mundiais de IED aumentaram 11% em 2013, em relação ao ano anterior. A participação da América Latina e do Caribe no total mundial manteve-se em 13%. Desde 2003, o volume de investimento estrangeiro na região tem crescido continuamente, salvo em 2006 e 2009, ainda que em relação ao tamanho das economias manteve-se praticamente estável desde 2011.

A secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, destacou que a perda de rentabilidade média dos investimentos na região vem caindo, e países com grandes volumes de reservas minerais, como Peru, Chile e Brasil acabaram registrando queda em seus fluxos de IED. A maior parte dos investimentos, cerca de 60%, são referentes a construção de fábricas, mas geração de emprego representou apenas 5% do total de postos criados na região. “Acreditamos que esses ingressos deveriam fazer parte dos processos de diversificação produtiva que os países da região estão buscando implementar”, disse ela.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade