publicidade

Preços dos alimentos voltam a subir, de acordo com o Banco Mundial

Entre janeiro e abril os preços internacionais aumentaram 4%, compensando sua queda de 3% registrada nos três meses precedentes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 29/05/2014 13:55 / atualizado em 29/05/2014 14:37

France Presse

Washington - Os preços dos alimentos no mundo voltaram a subir pela primeira vez em quase dois anos como consequência, entre outros fatores, da disparada dos preços na Ucrânia, indicou nesta quinta-feira (29/5) o Banco Mundial (BM).

Entre janeiro e abril os preços internacionais aumentaram 4%, compensando sua queda de 3% registrada nos três meses precedentes, escreve o BM em seu relatório trimestral. A alta dos preços do trigo (+18%), do açúcar (+13%) e do milho (+12%) foi particularmente sensível.

Leia mais notícias em Economia

Este aumento põe fim à queda sustentada observada desde o pico de agosto de 2012, segundo este documento, que afirma, no entanto, que o nível dos preços dos alimentos em abril continuava sendo 2% inferior ao registrado um ano antes. "O aumento da incerteza climática e da demanda de importações e, em menor medida, a incerteza sobre a evolução dos acontecimentos na Ucrânia, explicam em grande parte o aumento dos preços", afirma o BM.

Em meio a uma profunda crise política e econômica, a Ucrânia, terceira exportadora mundial de milho e sexta de trigo, registra os aumentos mais espetaculares. Entre janeiro e abril, o preço do milho subiu 73% na Ucrânia, e o do trigo 37%.

O Banco Mundial também manifestou preocupação pela seca que afeta as regiões produtoras de alimentos nos Estados Unidos. No entanto, o aumento foi mitigado pela forte queda dos preços do trigo na Argentina (-38%), do milho em Moçambique (-41%) e do sorgo na Etiópia (-43%) durante este trimestre.

No mesmo período, os preços internacionais do arroz caíram 12%, observa o BM. "Nos próximos meses devemos vigiar de perto estes preços para garantir que novas altas não exerçam mais pressões sobre os mais desfavorecidos", indica Ana Ravenga, que exerce uma das vice-presidências do BM.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade