Economia
  • (6) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Guido Mantega atribui PIB a câmbio, inflação e fatores externos A expectativa do ministro da Fazenda é que a inflação no país caia nos próximos meses

Agência Brasil

Publicação: 30/05/2014 13:55 Atualização:

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, atribuiu à volatilidade cambial, aumento da inflação e crédito escasso para o Produto Interno Bruto (PIB) ter crescido 0,2% no primeiro trimestre do ano, conforme divulgado nesta sexta-feira (30/5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o ministro, no primeiro trimestre, houve aumento da inflação, subindo em fevereiro e março, o que afetou o consumo das famílias, além do crédito caro e escasso. “Embora a massa salarial tenha crescido e o número de empregados e salário venha aumentando, o crédito está mais escasso e a inflação, principalmente para os alimentos, diminuiu o consumo das famílias”.

A expectativa de Mantega é que a inflação no país caia nos próximos meses. “A inflação vai ser bem menor do segundo trimestre, o que significa devolver poder aquisitivo para as famílias e consumidores. A volatilidade internacional também deve cair e isso gera uma calmaria no mercado cambial e bolsas de valores”.

De acordo com o ministro, a estratégia usada pelo governo de combate à inflação é producente, pois um país com inflação alta não tem condições de crescer. “É isso que nós não estamos permitindo. A inflação pode subir um ou dois meses em função de fatores sazonais, como a alta dos alimentos, que já estão com seus preços caindo. No segundo trimestre, será muito menor do que no primeiro”, disse.

Mantega destacou ainda a influência de fatores negativos, como a demora da recuperação da economia internacional. “Nos Estados Unidos, vimos um crescimento negativo de 1%, com queda de investimento e a demanda não crescendo. Isso nos prejudica porque os EUA importou menos produtos do mundo. Mesmo a Europa teve crescimento abaixo das projeções”.

De acordo com Mantega, em janeiro e parte de fevereiro, a volatilidade cambial causou incertezas no mercado e atrapalhou o desempenho dos países emergentes, derrubando bolsas. Porém, na avaliação do ministro, foi um momento de instabilidade localizado. “Ao longo do trimestre, isso melhorou, mas atrapalhou o desempenho dos dois primeiros meses”.

Com relação ao fluxo de capitais, Mantega disse que o cenário é positivo e que o país tem recebido forte investimento internacional direto. “O investimento ficou forte em 2013 tendo crescido mais do que a maioria dos países”, disse.

Conforme o ministro, a demanda do comércio varejista está se recuperando e há possibilidade de melhoria da concessão de crédito, já que a inadimplência vem caindo nos últimos dois anos e é uma das mais baixas registradas no país (3%). “A queda da inadimplência é um fator que cria condições para que o crédito possa voltar. As condições existem”.

Leia mais notícias em Economia

Segundo Mantega, a baixa confiança do consumidor não é um fenômeno brasileiro e ocorre em outros países também. Para ele, a confiança deve aumentar assim que a economia apresentar resultados melhores. “[Queda de] Confiança não é fenômeno só de Brasil. Outros emergentes também registraram queda de confiança no ano passado, devido à política do Fed [Banco Central dos Estados Unidos] que alterava os fluxos de capitais. Pode haver demora, mas a tendência é a de que melhore”.

O ministro evitou fazer previsões para o restante do ano, e ressaltou que qualquer nova previsão será feita ao longo dos períodos com base nos próximos resultados.

O ministro comentou ainda a revisão do PIB do ano passado, que havia ficado em 2,3% e passou para 2,5%. Entre as principais razões para a mudança, está a avaliação de um melhor desempenho da indústria, que passou de 1,3% para 1,7; e particularmente a indústria de transformação, que passou de 1,9% para 2,7%. Houve ainda redução da formação bruta de capital de investimento de 6,3% para 5,2%.

Esta matéria tem: (6) comentários

Autor: LUIZ SILVA
Esses políticos são uma piada. Para justificar o mal desempenho da economia, agora eles admitem que existe a INFLAÇÃO. | Denuncie |

Autor: jorge almada
A inflação está sendo manipulada, tanto que a maioria dos sindicatos dos trabalhadores em suas negociações estão reivindicando porcentuais entre 10 a 12% de reposição salarial. O que demostra que a inflação real está próxima deste patamar. É no supermercado que se constata. índice do IBGE, não batem. | Denuncie |

Autor: jorge almada
O nosso país está perdendo reservas a balança comercial contínua apresentar saldo negativo. Nossa economia está concentrada sna sua grande maioria na exportação para a China. Falta investimento em novas tecnologias que permitam reduzir os custos de produção e gerar mais produtos internos e export... | Denuncie |

Autor: jorge almada
Concordo plenamente com a Adriana, algum tempo atrás cometei que a luz amarela estava acesa na economia. A incompetência do Ministro já esta transparecendo. O que esperar de uma economia baseada em importação, baixa produtividade na indústria, e descontrole no gasto público, Ministro pare de sonhar ! | Denuncie |

Autor: julio el cid
Esse Mantega me faz lembrar o Barrichello. Sempre dando desculpas pelo fracasso e prometendo a Glória. . | Denuncie |

Autor: Adriana Silva
Até quando a desculpa vai ser "volatilidade cambial", "crise econômica mundial" e coisa e tal? Não é melhor admitir a incompetência governamental? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas