publicidade

Pesquisa mostra forte elevação no total de trabalhadores sem ocupação

A taxa de desocupação no país ficou em 7,1% no primeiro trimestre, ante os 6,2% registrados nos últimos três meses de 2013

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 04/06/2014 09:12 / atualizado em 04/06/2014 09:54

Bárbara Nascimento

Após a polêmica de que ficaria suspensa até 2015, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) voltou a ser divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de desocupação no país ficou em 7,1% no primeiro trimestre, ante os 6,2% registrados nos últimos três meses de 2013. Em relação a igual período de 2013, quando marcou 8%, o indicador apresentou, contudo, uma melhora.

Paula Rafiza/Esp. CB/D.A Press

A possibilidade de suspensão da Pnad Contínua gerou uma crise institucional no IBGE e levou à paralisação de boa parte dos servidores. À época, uma das suspeitas era de que o governo estaria receoso de um resultado negativo, tendo em vista a desaceleração da economia. O resultado da pesquisa vai na contramão dos indicadores macroeconômicos — o consumo das famílias recuou no primeiro trimestre, e setores da indústria estão dando férias coletivas — e das expectativas de especialistas.

Leia mais notícias em Economia

A própria Pesquisa Mensal de Emprego (PME), também divulgada pelo IBGE e que leva em conta apenas seis regiões metropolitanas, sinalizava desaceleração. As taxas mensais de desemprego para janeiro, fevereiro e março foram de 4,8%, 5,1% e 5%, respectivamente. “A atividade econômica tem desacelerado e não seria anormal se as taxas de desemprego piorassem. Se as expectativas continuarem iguais, a tendência é de que esse indicador piore. E isso pode pesar nas eleições”, observou Newton Marques, conselheiro do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal.

Excluídos

Fora desse grupo, está a estudante Amanda Assis de Andrade, 18 anos. Há dois meses, ela distribui currículo e comparece duas vezes por semana a uma agência de empregos, à espera de uma
vaga. “Trabalhei com atendimento numa lanchonete no ano passado e imaginei que a experiência fosse ajudar, mas está demorando mais a aparecer outro trabalho que no ano passado”, revelou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade