Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Custo de vida em São Paulo aumenta 0,14% em maio, diz Dieese Os principais grupos responsáveis pela taxa deste mês foram alimentação (0,25%) e saúde (0,37%) que, juntos, contribuíram com 0,13 ponto percentual na taxa de maio

Agência Brasil

Publicação: 06/06/2014 13:09 Atualização:

 (Nacho Doce/Reuters)

O custo de vida no município de São Paulo aumentou 0,14%, em maio, segundo levantamento divulgado nesta sexta-feira (6/6) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A taxa é inferior à registrada no mês de abril (0,57%) em 0,43 ponto percentual. Os principais grupos responsáveis pela taxa deste mês foram alimentação (0,25%) e saúde (0,37%) que, juntos, contribuíram com 0,13 ponto percentual na taxa de maio.

A redução do grupo transporte (-0,30%) teve impacto de -0,04 ponto percentual na variação do custo de vida. No grupo alimentação (0,25%), houve redução nos preços dos alimentos in natura e semielaborados (-0,43%) e aumento nos produtos da indústria da alimentação (0,93%) e alimentação fora do domicílio.

Os itens que compõem o subgrupo produtos in natura e semielaborados (-0,43%), incluídos nas despesas com alimentação (0,25%), revelam comportamento diversificado. Os legumes apresentaram alta de 9,38% – o tomate foi o grande responsável pela taxa verificada nesse item, com elevação de 20,47% - mas houve diminuição no preço do chuchu (-8,21%), pepino (-7,94%), abobrinha (-5,82%) e berinjela (-0,26%). Já os preços dos grãos sofreram aumento de 0,54%: feijão (1,21%), arroz (0,27%) e outros grãos (0,11%).

Aves e ovos (0,35%), com aumento de 0,37% no primeiro e de 0,28% no segundo; carnes (0,15%), alta de 0,1% na bovina e de 1,13% na suína; leite in natura, com oscilação de 0,02%; frutas (-3,68%) – a maior parte mostrou diminuição de preços, com destaque para abacate (-8,78%), laranja (-7,56%), manga (-3,87%), abacaxi (-3,59%) e banana (-0,03%); hortaliças (-3,84%) – à exceção da couve-flor (0,61%), houve queda no preço de todas, com as maiores reduções observadas no agrião (-5,91%), cheiro verde e temperos (-5,37%) e brócolis (-5,23%); e raízes e tubérculos (-4,2%) – batata (-9,16%) e beterraba (-5,66%) foram os produtos que apresentaram decréscimo de preços. Os demais tiveram aumento, com destaque para a cebola (4,10%).

Leia mais notícias em Economia

No subgrupo indústria da alimentação (0,93%), as variações mais expressivas ocorreram no preço do café em pó (3,2%), óleos (2,73%), leite longa vida (2,51%), leite em pó (1,93%) e carnes industrializadas (1,17%).

Na alimentação fora do domicílio (0,66%), os reajustes foram: refeições principais (0,68%) e lanches matinais e vespertinos (0,63%).

Já no grupo saúde (0,37%), houve aumento nos medicamentos e produtos farmacêuticos (0,13%) e, em maior intensidade, na assistência médica (0,42%), consequência de aumentos dos itens: exames laboratoriais (0,81%), seguros e convênios (0,46%) e consultas médicas (0,25%).

A diminuição de 0,3% no transporte resultou da queda no preço do álcool (-2,83%) e da gasolina (-0,05%), que contribuiu para a retração verificada no subgrupo transporte individual (-0,43%). Já o transporte coletivo não variou.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas