publicidade

Para representante do Brasil no FMI, credores querem controlar a Grécia

A Grécia, que recebe ajuda financeira desde 2010, parece ser "vítima do rigor alemão", acrescentou Nogueira Batista em seu discurso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 10/06/2014 14:16

France Presse

Washington- Os três credores da Grécia - o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) - buscam controlar o país do exterior, expressou o represente do Brasil no FMI, de acordo com um comunicado recebido nesta terça-feira (10/6).

Segundo o documento, durante a última reunião do Comitê Executivo do FMI para discutir a situação na Grécia, Paulo Nogueira Batista assegurou que os esforços da troika "não são mais do que uma tentativa de controlar o país do exterior". "Isto funciona muito raramente na prática", disse Nogueira Batista segundo o comunicado.

Leia mais notícias em Economia

O duro discurso de Nogueira Batista foi lido no dia 30 de maio, durante a reunião do Comitê Executivo do FMI para a quinta revisão do acordo entre a troika e a Grécia.

A Grécia, que recebe ajuda financeira desde 2010, parece ser "vítima do rigor alemão", acrescentou Nogueira Batista em seu discurso, assim que foi conhecida a lista atualizada das reformas pedidas a Atenas pelos credores que apoiaram o resgate do país.

"O número de medidas de reforma estrutural que a troika tem pedido à Grécia parece excessivo", apontou o economista brasileiro, que expressou sua "preocupação pelo nível de detalhe e de intrusão" das demandas.

Nogueira Batista, conhecido crítico do modelo de ajuda à Grécia, apontou que a situação grega "melhorou", mas acrescentou que a "a leve melhoria dos últimos meses não parece transformar fundamentalmente a previsão do país no médio prazo". "Não conseguimos ver como a Grécia fará para se libertar desta armadilha que caiu", afirmou.

No momento em que se especula sobre um novo plano de ajuda a Atenas, o funcionário acredita que uma parcela adicional da dívida apenas será evitada se houver "uma melhora substancial na economia mundial, especialmente na zona euro".

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade