Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Inflação sobe mais para famílias que ganham menos em maio, diz FGV Com o resultado de maio, a inflação para as famílias com rendimento de até 2,5 salários passou a acumular alta de 3,7%, nos primeiros cinco meses do ano

Agência Brasil

Publicação: 11/06/2014 13:51 Atualização:

O Índice de Preços ao Consumidor-Classe 1 (IPC-C1), que diz respeito às famílias com rendimento de até 2,5 salários, subiu 0,58% em maio, ficando 0,06 ponto percentual superior ao das famílias com rendimento maior – que variou 0,52% no mesmo período.

Os dados relativos ao IPC-C1 foram divulgados hoje (11) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV). Com o resultado de maio, a inflação para as famílias com rendimento de até 2,5 salários passou a acumular alta de 3,7%, nos primeiros cinco meses do ano, enquanto a taxa dos últimos doze meses (a anualizada) ficou em 6%.

Em maio, o IPC-BR, que registra a inflação para todas as classes de renda, ao registrar variação de 0,52%, passou a acumular nos indicador nos últimos 12 meses alta de 6,57%, neste caso ficando acima 0,57 ponto percentual da inflação das famílias de menor renda.

Os dados do Ibre-FGV indicam queda na inflação em quatro das oito classes de despesa componentes do índice. O grupo alimentação recuou de 1,69% para 0,27%; saúde e cuidados pessoais, de 1,68% para 0,94%; vestuário (0,71% para 0,46%); e transportes (0,68% para 0,58%).

Leia mais notícias em Economia

Nesses grupos, os destaques partiram dos itens hortaliças e legumes, no grupo alimentação chegou a recuar 3,02 pontos percentuais (de 5,52% para 2,5%); medicamentos em geral, no grupo saúde e cuidados pessoais, recuou de 2,45% para 1,35%; roupas, no grupo vestuário ( de 0,77% para 0,58%), fechando com gasolina, em transportes, que caiu de 0,42% para uma deflação de 0,28%.

Em contrapartida, foram computados acréscimos nas taxas de variação dos grupos educação, leitura e recreação (que saiu de uma deflação de 0,40% para uma inflação de 0,69%, resultado 1,09 ponto percentual entre um período e outro; habitação (0,73% para 0,84%); despesas diversas (0,36% para 0,77%); e comunicação ( menos 0,03% para 0,06%).

Nestas classes de despesa, destacam-se no grupo transporte, o item passagem aérea (que saiu de uma inflação negativa de 29,23% para uma alta de 13,9%); tarifa de eletricidade residencial, no grupo habitação (2,41% para 3,94%), jogo lotérico, despesas diversas, ( de 0 para 7,29%) e pacotes de telefonia fixa e internet, no grupo Comunicação (0,20% para 0,42%).

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas