publicidade

Argentina tentará negociar as dívidas para evitar a moratória

Para o ministro, a decisão que obriga o país a pagar a dívida suspensa aos fundos especulativos busca "derrubar" a reestruturação negociada com os credores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 17/06/2014 19:54

France Presse

Argentina Minister/Argentina

Buenos Aires - O ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, disse nesta terça-feira (17/6) que a Argentina vai tentar negociar com o juiz americano Thomas Griesa uma fórmula financeira para evitar que o país suspenda o pagamento da sua dívida externa. Kicillof afirmou que a decisão do juiz "não é razoável".

"Vamos enviar nossos advogados para falar com Griesa (que ordenou o pagamento de 100% da dívida de 1,5 bilhão de dólares em dinheiro). Se pagarmos (aos fundos especulativos demandantes), os outros credores (que aceitaram a reestruturação da dívida) pedirão imediatamente que paguemos 15 bilhões. Não podemos pagar isso, não é razoável", disse Kicillof em uma coletiva de imprensa para explicar a estratégia do país em relação à decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos.

Leia mais notícias em Economia

Para o ministro, a decisão adversa da justiça americana que obriga o país a pagar a dívida suspensa aos fundos especulativos busca "derrubar" a reestruturação negociada com os credores, levando o país a uma moratória.

"Minha impressão é que querem derrubar a reestruturação da dívida argentina", disse o ministro.

Segundo Kicillof, "se a Argentina se vir obrigada a pagar os fundos abutres, o país será empurrado para uma moratória", e esclareceu: "Não estamos dispostos a negociar sob qualquer condição".

Os "fundos abutres" são aqueles comprados de empresas à beira da falência com o objetivo de recuperá-las depois. No caso da Argentina, o governo do país considera que muitos investidores compraram títulos da dívida mesmo depois de o pagamento ter sido suspenso.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade