publicidade

Argentina pedirá que juiz suspenda sentença para reabrir negociações

Em entrevista coletiva, Kicillof disse que o texto da carta, escrito em inglês, será divulgado em breve em espanhol

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 23/06/2014 15:23

Agência Brasil

O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, anunciou nesta segunda-feira (23/6) que o governo pedirá, por escrito, ao juiz norte-americano Thomas Griesa que suspenda a medida cautelar que obriga o país a pagar os fundos que não aceitaram o acordo de reestruturação da dívida.

Segundo Kicillof, a carta que os advogados argentinos apresentarão ao juiz novaiorquino pedirá “uma medida suspensiva da sentença que obriga a pagar o total devido aos fundos abutres [que não entraram na renegociação] no próximo vencimento da dívida, agendado para 30 de junho”.

“É essencial que o juiz outorgue essa medida para que a Argentina possa continuar pagando normalmente aos detentores de títulos da reestruturação e, desse modo, levar adiante um diálogo que nós precisamos que seja em condições equitativas para 100% dos credores”, destacou.

Leia mais notícias em Economia

Em entrevista coletiva, Kicillof disse que o texto da carta, escrito em inglês, será divulgado em breve em espanhol. No último dia 16, a Corte Suprema dos Estados Unidos rejeitou o apelo do governo argentino e manteve a sentença de Griesa. O juiz obrigou o país a pagar US$ 1,33 bilhão aos fundos abutres, compostos por credores norte-americanos que não aceitaram, entre 2005 e 2010, o acordo de renegociação do calote da dívida do país.

De acordo com o governo argentino, o cumprimento imediato da ordem da corte norte-americana abriria precedente para os grandes credores, que tinham aceitado o acordo de reestruturação, cobrarem dívidas de até US$ 15 bilhões. O montante equivale a mais da metade das reservas do Banco Central do país. A Argentina propõe aos fundos norte-americanos uma troca de títulos públicos para reabrir a negociação.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade