publicidade

Produção da indústria registra queda e país pode ter PIB negativo

É o terceiro mês seguido de contração, resultado que dissemina o pessimismo entre os investidores. Está cada vez mais forte a possibilidade de o Produto Interno Bruto do segundo trimestre registrar queda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 03/07/2014 06:00 / atualizado em 03/07/2014 08:33

Paulo Silva Pinto

Não há pacote do governo que consiga tirar a indústria brasileira do atoleiro. Dados divulgados ontem pelos Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a produção nas fábricas registrou, em maio, o terceiro tombo seguido. Em relação a abril, o recuo foi de 0,6%. Ante maio de 2013, retrocedeu 3,2%. A contração foi generalizada, puxada, sobretudo, pelo menor ritmo na fabricação de carros. No acumulado do ano, a indústria já caiu 1,6%. Diante desse quadro, ficaram mais fortes os indícios de que o Brasil registrou queda no Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre do ano.



“A indústria caminha com dificuldade. Isso não é específico de um setor, nem algo deste momento. É um movimento que começou em outubro do ano passado”, afirmou o economista André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE. Os dados frustrantes vieram em linha com as expectativas de mercado. E justificam o fato de a confiança dos empresários estarem no menor nível desde 2009, quando o Brasil mergulhou na recessão.

Leia mais notícias em Economia

Embora a deterioração da indústria já esteja no radar dos investidores há meses, há motivos crescentes para preocupação. “Um problema adicional nos resultados negativos de maio é que o movimento de retração nas fábricas foi disseminado. Atingiu 15 setores dos 24 analisados pelo IBGE, um número superior ao da última pesquisa”, notou o economista Rafael Bacciotti, da Consultoria Tendências.

O ciclo de quedas está longe do fim, apontam analistas. “Para junho, esperamos nova retração na produção industrial”, afirmou o economista Rodrigo Miyamoto, do Itaú Unibanco. “Os estoques na indústria voltaram a aumentar e indicam uma menor produção à frente. Dados de consumo de energia também apontam para queda. Finalmente, há o impacto negativo sobre as horas trabalhadas relacionado à Copa do Mundo”, apontou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

publicidade