Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Caderneta de poupança e fundos de investimento sofrem com a inflação Depósitos em poupança caem 66% no primeiro semestre. Carestia e alto endividamento contribuem para que outros investimentos tenham o pior desempenho em 12 anos

Rosana Hessel

Célia Perrone

Publicação: 08/07/2014 07:05 Atualização: 08/07/2014 08:34

Suely da Paz não consegue economizar, compromete todo o salário com alimentos, remédios e plano de saúde (Carlos Moura/CB/D.A Press)
Suely da Paz não consegue economizar, compromete todo o salário com alimentos, remédios e plano de saúde


O brasileiro não está conseguindo guardar dinheiro. A inflação que não dá trégua e o alto endividamento das famílias têm deixado pouco espaço para o cidadão comum poupar. Não à toa, o nível dos depósitos em caderneta de poupança registrou um tombo de 66% no primeiro semestre de 2014, para R$ 9,61 bilhões, o menor volume para o período desde 2011, de acordo com dados divulgados ontem pelo Banco Central. Além disso, os fundos de investimento tiveram o pior semestre desde 2002, com uma captação de apenas R$ 1,9 bilhão, conforme levantamento feito pela Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Leia mais notícias em Economia

Na avaliação do economista Edmilson Lyra, presidente da Associação Brasileira de Educação Financeira (Abef), essa queda reflete o atual quadro da economia, com inflação acima de 6% e taxa básica de juros (Selic) de 11% ao ano, uma das maiores do mundo. O professor de finanças da Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV-SP) Fabio Gallo também considera que o endividamento das famílias e a corrosão do poder de compra pela inflação faz com que o brasileiro deixe de poupar. “Essa é uma situação que vem desde 2011. As pessoas que compraram o carro em 72 meses ainda estão pagando as prestações. Essa captação da poupança menor é uma situação já prevista e esperada pelo mercado. A inadimplência também está dentro da curva”, explicou.

Falta de hábito
Esse é o caso da servidora pública Suely Coelho da Paz, de 48 anos. Ela não consegue poupar apesar de tentar. “O preço de tudo está muito alto. Supermercado, medicamentos e plano de saúde pesam demais no bolso. Com essa inflação, sobrar dinheiro no fim do mês é quase um milagre”, desabafou. A funcionária pública reconhece que, em situações emergenciais, ter uma reserva de dinheiro é crucial. “Já precisei de ajuda em alguns casos, para cobrir gastos, mas empréstimo só em último caso porque as taxas são altíssimas”, contou ela.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas