Economia
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Inflação estoura o teto da meta pela 11ª vez e acumula alta de 6,52% O pico de alta deverá ser registrado em setembro, um mês antes das eleições. O custo de vida baterá em 6,82% em 12 meses

Deco Bancillon

Publicação: 09/07/2014 06:09 Atualização: 09/07/2014 08:53

O brasileiro está sentindo no bolso o descuido do governo com a escalada dos preços. Mesmo que dados mensais apontem para uma leve desaceleração do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que cedeu de 0,46% para 0,40% entre maio e junho, no acumulado em 12 meses, a situação é preocupante. A inflação cravou expansão de 6,52%, estourando o limite de tolerância, de 6,50%, definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Foi a 11ª vez, em três anos e meio da administração Dilma Rousseff, que a carestia rompeu o teto da meta.

Pelas projeções da Gradual Investimentos, mesmo que o Palácio do Planalto assegure que a inflação deixou de ser um problema, o IPCA deverá romper por mais cinco meses, ainda em 2014, o limite de tolerância. Com isso, Dilma encerrará seu mandato sem nunca ter conseguido levar a carestia para o centro da meta, de 4,5%. O pico de alta deverá ser registrado em setembro, um mês antes das eleições. O custo de vida baterá em 6,82% em 12 meses.



Segundo Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Copa do Mundo fez disparar o valor das passagens aéreas e das diárias de hotel em junho. Somente esses dois itens responderam por metade da inflação de 0,40% do mês passado. Diante do aumento na demanda por serviços em meio ao Mundial, nem a deflação de 0,11% registrada pelos alimentos foi suficiente para segurar o IPCA.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: jorge almada
Com o pico de inflação previsto para setembro de batendo 6,82 em dozes, meses, isto é, se não houver o alinhamento de preços como o dos combustíveis que estão defasados. Tudo indica que as medidas impopulares serão tomadas após as eleições, "primeiro a manutenção do poder, depois a economia." ABR | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas