Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

BRICS assinarão no Brasil acordo de criação de banco de desenvolvimento O banco, com sede em Xangai ou Nova Délhi, terá dotação inicial de 10 bilhões de dólares e sua capacidade de empréstimo poderá alcançar 100 bilhões

France Presse

Publicação: 09/07/2014 08:56 Atualização: 09/07/2014 14:55

As potências emergentes do grupo Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) vão criar seu próprio banco de desenvolvimento, com funções semelhantes às de outras instituições internacionais nas quais estes países não se sintam representados, anunciou a Rússia nesta quarta-feira.

A criação deste novo banco aparece em primeiro lugar na agenda da cúpula que os Brics realizarão nos dias 15 e 16 de julho no Brasil.

Este banco, que terá sede em Xangai ou Nova Délhi, terá um aporte inicial de 10 bilhões de dólares e sua capacidade de empréstimo poderá chegar aos 100 bilhões, anunciou o ministro russo das Finanças, Anton Siluanov.

"Durante a cúpula (realizada nos dias 15 e 16 de junho) vamos decidir a criação de um banco e de um fundo de divisas", disse o ministro Siluanov.

Leia mais notícias em Economia

Em 2013, o grupo de países emergentes anunciou o projeto de criar um banco de desenvolvimento e um fundo monetário, alternativos ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), em que se consideram pouco representados, mas não chegaram a um acordo sobre os aportes de capital.

Por fim, explicou Siluanov, cada país contribuirá com 2 bilhões de dólares nos próximos sete anos, somando 10 bilhões.

Trata-se de uma soma relativamente modesta, mas o ministro russo ressaltou que o potencial da capacidade de empréstimo da instituição pode chegar a 200 bilhões de dólares.

O ministro indicou que o banco, voltado para o financiamento de infraestrutura, estará aberto a outros países-membros da ONU, mas que a parte dos Brics será superior a 55%.

No que diz respeito ao fundo de divisas, Siluanov anunciou a assinatura de um acordo marco não vinculante durante a cúpula.

Rumo a um 'mini-FMI'

A criação destas duas instituições similares às criadas com os acordos de Bretton Woods, e com sede em Washington (Banco Mundial e FMI), obedece à vontade dos países emergentes de ganhar mais autonomia em relação às potências ocidentais. Esse desejo é reforçado pela reforma do FMI, que continua bloqueada por parte do Congresso americano, e que, supostamente, deve reequilibrar forças em favor de países emergentes, pouco representados nos direitos de voto.

O abismo econômico que separa países centrais e emergentes foi ampliado no ano passado com uma mudança nos fluxos de capital que deixam os mercados emergentes, com a redução do volume de divisas e a desaceleração do crescimento, até pouco tempo vigoroso.

O "mini-FMI", fundo de divisas planejado pelos Brics, deve contar com um colchão de proteção de 100 bilhões de dólares contra as flutuações dos mercados: 41 bilhões concedidos pela China; 18 bilhões, por Índia, Brasil e Rússia, cada um; e 5 bilhões, pela África do Sul.

Caso seja concretizado, este mini-FMI "mudará as coisas", acredita o economista Charles Robertson, do banco de investimentos Renaissance Capital. "A África do Sul e a Índia teriam acesso a enormes reservas de divisas, o que as permitiria resistir e enfrentar uma crise em seus mercados".

"Um banco de desenvolvimento não é tão interessante, já que existe uma grande quantidade de bancos desse tipo", acrescenta o economista. Entretanto, "é interessante porque será a primeira instituição multilateral com sede na China", opina.

Para a Rússia, o tema é muito simbólico, já que a crise ucraniana isolou Moscou no cenário internacional. Excluída do G8, a Rússia está à beira da recessão devido à ameaça de sanções internacionais que pairam sobre sua economia. Os demais países do Brics se abstiveram na votação da ONU para condenar a anexação da Crimeia à Rússia.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas