Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Dois bancos estaduais aderem a empréstimo para distribuidoras de energia Ministério da Fazenda anunciou que o valor do empréstimo destinado às distribuidoras de energia é de quase R$ 6,6 bilhões

Agência Brasil

Publicação: 13/08/2014 15:28 Atualização:

Dois bancos estaduais aderiram ao consórcio de instituições financeiras que emprestarão quase R$ 6,6 bilhões às distribuidoras de energia, anunciou há pouco o Ministério da Fazenda. O Banco de Brasília (BRB) e Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul), administrados pelos governos das duas unidades da Federação, se juntaram à operação de crédito.

O valor total do empréstimo ficou em R$ 6,58 bilhões. Na última quinta-feira (7), o Ministério da Fazenda tinha anunciado que a operação ficaria em R$ 6,6 bilhões. Por causa da adesão dos novos bancos, a contribuição do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) caiu de R$ 3 bilhões para R$ 2,7 bilhões.

Ao todo, o empréstimo terá a participação de 13 instituições financeiras: BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Itaú, Santander, BTG Pactual, Citibank, J.P. Morgan, Credit Suisse, Bank of America, BRB e Banrisul. Ao todo, a participação dos bancos públicos federais alcançou 52,58%. O restante ficou com os bancos privados e estaduais.

A primeira parcela estará disponível para as empresas de energia até o próximo dia 19. As prestações serão pagas entre novembro de 2015 e novembro de 2017, com juros equivalentes ao certificado de depósito interbancário (CDI), taxa variável, mais 2,35% ao ano.

No comunicado, o Ministério da Fazenda reiterou que não estão previstos mais empréstimos bancários para socorrer o setor elétrico. Em abril, as distribuidoras tinham recebido empréstimo de R$ 11,2 bilhões, mas todo o dinheiro já foi usado.

Leia mais notícias em Economia

As operações de crédito foram necessárias para manter o fluxo de caixa das distribuidoras que arcaram com custos maiores após a estiagem no início do ano. Além de comprar energia das usinas termelétricas, mais cara que a das hidrelétricas, as empresas tiveram de comprar energia no mercado de curto prazo, cujo preço disparou com a escassez de chuva.

Tanto no primeiro como no segundo empréstimo bancário, o dinheiro é repassado à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, que transfere os recursos às distribuidoras. Além das operações de crédito, o Tesouro Nacional aumentou, em março, de R$ 9 bilhões para R$ 13 bilhões o orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético, fundo que subsidia as tarifas de energia.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas