publicidade

Produtora de bananas dos EUA rejeita oferta dos grupos Safra e Cutrale

As empresas brasileiras ofereceram US$ 611 milhões para a Chiquita Brands International

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 14/08/2014 18:20 / atualizado em 14/08/2014 19:34

France Presse

Nova York - A Chiquita Brands International rejeitou nesta quinta-feira uma oferta de compra por US$ 611 milhões, proposta por dois grupos brasileiros, por considerá-la "insuficiente", informou o comunicado da empresa, que negocia a fusão com a distribuidora de frutas europeia Fyffes. O conselho de Chiquita Brands International recusou os 13 dólares por ação, totalizando a oferta de 611 milhões de dólares da empresa de sucos Cutrale e do Banco Safra.

"A oferta é insuficiente e não responde aos interesses dos acionistas da Chiquita", disse o comunicado. "A Chiquita decidiu não dar informações nem negociar por enquanto com os grupos Cutrale e Safra". O conselho afirmou que continuará apoiando a fusão com a Fyffes, o que criaria a maior produtora de banana do mundo, com uma receita anual de 4,6 bilhões de dólares. Com a operação, a Chiquita vai poder mudar sua sede para a Irlanda, onde pagaria menos impostos.

Leia mais notícias em Economia

Um encontro entre os acionistas da Chiquita e da Fyffes para discutir e votar o assunto está programado para o dia 17 de setembro. A rejeição do conselho à oferta brasileira parece deixar as portas abertas para uma proposta mais audaciosa. As duas empresas argumentaram que este seria o melhor negócio para os acionistas.

As ações da Chiquita passaram a ter perdas de até 17% após o anúncio de possível fusão com a Fyffes. Com a oferta brasileira, na segunda-feira, os papéis tiveram alta de mais de 30%. Desde então as ações foram negociadas a 13 dólares, sugerindo que que os investidores aguardam uma oferta melhor. Nesta quinta-feira, a ação da Chiquita foi cotada a 13,50 dólares.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade