Economia
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Instituições financeiras reduzem novamente projeção de expansão do PIB Pela 12ª semana seguida, houve redução na estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto; desta vez, a projeção passou de 0,81% para 0,79%

Agência Brasil

Publicação: 18/08/2014 09:50 Atualização:

Analistas do mercado financeiro esperam por crescimento da economia cada vez menor. Pela 12ª semana seguida, houve redução na estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Desta vez, a projeção passou de 0,81% para 0,79%. Essa é a mediana das expectativas (desconsidera os extremos nas projeções) de instituições financeiras consultadas todas as semanas pelo Banco Central (BC) sobre os principais indicadores econômicos.

Para 2015, a projeção para o crescimento do PIB segue em 1,2%. Para a produção industrial, a expectativa é de retração este ano, com projeção em 1,76%. Na semana passada, a estimativa de queda era 1,53%. No próximo ano, deve haver recuperação da produção industrial, com crescimento estimado em 1,7%.

Na última sexta-feira, o BC informou que a atividade econômica apresentou queda de 1,2% no segundo trimestre do ano, comparado com o período de janeiro a março deste ano. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) é uma forma de avaliar a tendência do desempenho econômico. No final deste mês, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vai divulgar o resultado do PIB do segundo trimestre do ano.

Enquanto piora a projeção para a atividade econômica, a expectativa do mercado financeiro para a inflação está recuando há cinco semanas seguidas. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é 6,25%, contra 6,26% na pesquisa da semana passada. Para 2015, a estimativa também é 6,25%.

Mesmo com as estimativas menores, a projeção para a inflação ainda está longe do centro da meta (4,5%) e um pouco abaixo do limite superior (6,5%). Cabe ao BC perseguir essa meta de inflação, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional.

Leia mais notícias em Economia

A taxa básica de juros, a Selic – usada pelo BC para influenciar a economia e consequentemente, a inflação – deve fechar 2014 sem novas alterações, de acordo com as expectativas das instituições financeiras. Atualmente a Selic está em 11% ao ano. Já em 2015, as instituições financeiras alteraram a projeção para o final do período de 12% para 11,75%. A expectativa para a Selic em 2015 havia permanecido inalterada por 11 semanas consecutivas.

Na pesquisa do BC também está a estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), que passou de 5,39% para 5,38%, este ano, e de 5,08% para 4,91%, em 2015. A estimativa para o IGP-M passou de 4,05% para 3,98%, este ano, e de 5,60% para 5,59%, em 2015. A projeção para o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) foi ajustada de 3,98% para 3,89% neste ano, e segue em 5,50%, em 2015.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: jorge almada
Não dá para acreditar em recuperação industrial em 2015,um crescimento de 1,7%. A locomotiva da produção industrial está desacelerando face ao baixo consumo, juros altos, inflação, baixa produtividade na indústria e as eleições. A locomotiva da produção industrial levará tempo para voltar a andar | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas