publicidade

Inadimplência nas operações com cartão de crédito se estabiliza

Para a associação que representa o setor, o quadro deverá continuar em um nível relativamente baixo, em torno de 7%, até o fim do ano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 20/08/2014 09:18 / atualizado em 20/08/2014 09:54

Rodolfo Costa

A inadimplência das operações com cartão de crédito estava em 6,7% em junho, informou ontem a Abecs. Para a associação que representa o setor, esse quadro está, contudo, sob controle e deverá continuar num nível “relativamente baixo”, em torno de 7%, até o fim do ano. A entidade estima o percentual de inadimplentes a partir dos dados do Banco Central (BC), combinando carteiras de crédito rotativo no cartão e as de parcelados com e sem juros.

A associação, contrária à concessão de descontos para os consumidores que pagam em dinheiro, estima R$ 1 trilhão em transações do setor este ano, um crescimento de 17%. Os cartões representaram 4,8 bilhões de transações, alta de 12,3%.

Marcelo Noronha, presidente da Abecs, ressaltou que “não há qualquer indicativo” de piora da inadimplência no setor, concentrada em pessoas físicas. Segundo ele, o indicador em junho é um dos menores já registrados, apesar de ter subido este ano, pois encerrou alguns meses em 6,3%.

Leia mais notícias em Economia

O saldo da carteira de crédito dos cartões no Brasil, considerando os pagamentos à vista, parcelado com juros e sem juros e crédito rotativo, somou R$ 144 bilhões em junho. Do total, 71,3%, foram de operações sem juros. Em 2008, essa participação sem custo para o consumidor estava em 58,9%. O crédito rotativo perdeu espaço ano após ano. Foi a 2,2% em junho último ante 3,2% verificado em 2008. “O crédito rotativo está sendo diluído no mercado com o passar do tempo. Ele é incapaz de endividar sozinho os brasileiros por uma questão matemática”, observou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade