Economia
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

12 dicas para sair do (ou não entrar no) vermelho O número de brasileiros inadimplentes chegou a 57 milhões este ano, aproximadamente metade da população economicamente ativa no país. Eis uma oportunidade para não se tornar um deles

Sílvia Mendonça - Correio Web

Publicação: 21/08/2014 15:59 Atualização: 21/08/2014 16:18

De acordo com recente levantamento da Serasa Experian, o número de brasileiros inadimplentes chegou a 57 milhões este ano. O aumento deve-se ao crescente endividamento das famílias e ao descontrole do consumidor ao assumir novos financiamentos. Veja como se livrar desse interminável carnê.

1 – Convoque uma “intervention” para você mesmo: “Eu sou um endividado”

 (Carlos VieiraCBD.A Press)


É importante que as pessoas admitam que estão nesta situação. O que é estar endividado? “Se, no fim do mês, você não tem 30% do seu salário sobrando, está endividado”, diz Wilson Justo, especialistas em educação financeira. Justo aconselha que a pessoa faça a soma de todas as dívidas e, assim, perceba qual é o verdadeiro tamanho dela. “Você acha que deve só R$ 50 para fulano, R$ 500 para outro, um financiamento de R$ 700 em um carro, mas quando soma tudo vê que deve R$ 10.000. Assim é mais chocante”, ressalta.

2 – Deu uma moedinha no semáforo? Anote

O ideal é que esse diagnóstico seja detalhado por 30 dias. “Assim você vai saber para onde vai cada centavo do dinheiro gasto”, alerta Reinaldo Domingos, também expert em educação financeira. O especialista ressalta que, na lista, deve constar tudo: padaria, supermercado, cursos, saídas, até mesmo gorjeta.

3 – Seu filho vai querer um PlayStation no Natal, prepare-se


 (Caio GomezCBD.A Press)


É importante que a família, inclusive as crianças, se reúnam para conversar sobre o projeto de vida familiar. Ou seja, quais são os sonhos de cada um? Discuta sobre sonhos em curto (até um ano), médio (até dez anos) e longo prazo (acima de dez anos). O ideal é saber o que cada um quer, individualmente e coletivamente, para entender quanto precisar economizar e quanto pode gastar lá na frente.

4 – Encha o cofrinho

Os especialistas recomendam que assim que receber o salário, a pessoa poupe um pedaço para realizar seu sonho no futuro e, logo em seguida, pague as despesas. Domingos destaca que o ideal é atrelar o investimento a um foco como, por exemplo, uma viagem ou um carro.

5 – E a poupança continua numa boa...

Guarde mensalmente parte do dinheiro que ganha para realizar planos. Onde guardar? Domingos aconselha que, em curto prazo, esse dinheiro seja investido em caderneta de poupança. Em médio prazo, em tesouro direto, certificado de depósito bancário ou fundo de investimento. Já em longo prazo, em previdência privada ou tesouro direto.

6 – Aprove a lei de responsabilidade fiscal na sua casa

Ao gastar mais do que você ganha, inevitavelmente, serão criadas dívidas e essas dívidas deverão ser pagas em algum momento. Ou seja, você já iniciará o próximo mês com dívidas e menos dinheiro, gerando frustração.

7 – Lembra da Becky Bloom?

 (Robert Zuckerman/Touchstone Pictures)


De acordo com Domingos, é imprescindível que o limite dos cartões de crédito sejam inferiores a 50% do valor do seu ganho mensal.

8 – Cheque especial só é especial para o banco

 (Carlos VieiraCBD.A Press)


O especialista adverte que o ideal é nem mesmo ter esta opção, mas caso seja realmente necessária use-a como último recurso.

9 – Acidentes acontecem... na sua conta também


De preferência, deverá ser guardado de dois a seis salários líquidos da pessoa para emergências, como despesas médicas, acidentes, entre outros. Wilson Justo ressalta que, caso isso não seja feito, a pessoa corre o risco de se deparar com uma despesa extra e voltar a se endividar, já que não tem caixa de reserva.

10 – Fuja do carnê como quem foge da...

Além de evitar dívidas, ao comprar à vista o consumidor consegue ter noção do dinheiro que está gastando. Quando se utiliza o crédito na hora da compra, dá-se a impressão de que você ainda tem o dinheiro e pode gastá-lo com outras coisas.

11 – Dê conhecimento, não dê mesada

Verifique, por exemplo, se a escola do seu filho tem educação financeira. Desde criança é possível aprender a ser uma pessoa responsável financeiramente. Invista em cursos, livros e palestras sobre o tema. Mesadas aos filhos só devem ser administradas se tiver planos envolvidos. “A criança precisa entender que metade do dinheiro pode ser gasto com consumo e a outra se deve economizar para conseguir algo maior, para realizar um plano, por exemplo”, diz Domingos.

12 – O futuro aos poupadores pertence

 (Carlos SilvaCBD.A Press)


De acordo com Domingos, atualmente, somente 1% dos 29 milhões de apostados pelo INSS são independentes financeiramente. “Os outros 99% passam necessidades e têm renda dependente de parentes, amigos, empréstimos ou precisam continuar trabalhando”, explica. Por isso, é importante se programar para a aposentadoria.

Com informações dos especialistas em educação financeira Reinaldo Domingos e Wilson Justo.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: astro REI
eu me livrarei do vermelho nas urnas!!!!! | Denuncie |

Autor: Fernando Monteiro
Ou seja, não viva, somente poupe. | Denuncie |

Autor: Aurelina barbosa
Vamos sair do vermelho,PT NUNCA MAIS! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas