publicidade

Companhias cancelam voos para Buenos Aires após greve geral na Argentina

Esta é a segunda greve nacional do ano no país. Centrais operárias buscam paralisar o país exigindo melhorias salariais, num momento em que a economia está em declínio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 28/08/2014 10:40 / atualizado em 28/08/2014 11:00

Devido à greve nacional que ocorre na Argentina nesta quinta-feira (28/8) vários voos entre Guarulhos, na Grande São Paulo e o Aeroparque de Buenos Aires foram cancelados. Esta é a segunda greve nacional do ano no país. Centrais operárias buscam paralisar o país exigindo melhorias salariais, num momento em que a economia está em declínio.

Em comunicado, a TAM Linhas Aéreas informou que seis voos previstos foram cancelados. “Passageiros dos voos cancelados receberão a assistência necessária e podem remarcar os seus bilhetes com isenção das taxas de remarcações e diferença de tarifa”, declarou a empresa.

De acordo com a nota, os clientes da TAM com voos para outros aeroportos da Argentina, também programados para esta quinta-feira (28/8), podem alterar a data da viagem até o dia 10 de setembro sem custos de taxa de remarcação.

A empresa de aviação GOL, cancelou dois voos em virtude da paralisação. A orientação é que os passageiros dos voos que partem de Aeroparque, em Buenos Aires, ou que se destinam para este aeroporto, entrem em contato com a Central de Relacionamento da companhia. Os reajustes nos bilhetes também não serão tarifados.

Confira os voos cancelados:

TAM
JJ8014 (Guarulhos – Aeroparque)
JJ8009 (Aeroparque – Guarulhos)
JJ8010 (Guarulhos – Aeroparque)
JJ8005 (Aeroparque – Guarulhos)
JJ8008 (Guarulhos – Aeroparque)
JJ8015 (Aeroparque – Guarulhos)

GOL
7680 (Guarulhos - Aeroparque) - 8h15
7681 (Aeroparque - Guarulhos) 15h35

 


Os temas centrais da greve são a queda do emprego, um imposto sobre a renda que afeta grande parte da massa trabalhadora e a inflação incontrolável que é vivida em um clima de incerteza financeira pelo bloqueio judicial de pagamentos da dívida nos Estados Unidos, que empurrou a terceira economia da América Latina a um default seletivo.

Leia mais notícias em Economia

Maquinistas de trens, bancários, portuários, trabalhadores aeronáuticos, funcionários de hospitais públicos e caminhoneiros são alguns dos poderosos sindicatos que interromperam as atividades por 24 horas nesta quinta-feira e se somaram a outros sindicatos que na quarta-feira começaram uma greve por 36 horas.

Com informações da France Presse

publicidade

publicidade