publicidade

Plataforma de petróleo salva balança comercial em agosto

Exportação contábil de US$ 1,1 bilhão é compõe maior parte do superavit de US$ 1,168 bilhão no mês, o pior para o período desde 2001

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 01/09/2014 15:35 / atualizado em 01/09/2014 19:36

Rosana Hessel

A balança comercial brasileira registrou superavit de US$ 1,168 bilhão em agosto. Mais uma vez a exportação de plataforma de petróleo pela Petrobras salvou o resultado comercial. Graças a esse item contábil de US$ 1,1 bilhão, pois o equipamento não sai do país fisicamente, o saldo da balança comercial seria de apenas US$ 68 milhões. As exportações somaram US$ 20,465 bilhões, volume 0,1% acima do registrado no mesmo período de 2013, mas 2,6% abaixo dos US$ 23,024 bilhões computados em julho. Já as importações chegaram a US$ 19,297 bilhões, com variação semelhante aos embarques na comparação anual e com queda de 1,5% em relação ao mês anterior. O resultado é o pior para o mês de agosto desde 2001. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (1/09) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Leia mais notícias em Economia No acumulado do ano, o superavit ficou em US$ 249 milhões, revertendo o deficit de US$ 3,752 bilhões computados de janeiro a agosto do ano passado. Os embarques somaram US$ 154,020 bilhões, neste ano, 0,5% de queda na média diária dos US$ 156,654 bilhões, registrados no ano passado. Já as importações acumuladas recuaram de US$ 160,406 bilhões, em 2013, para US$ 153,771 bilhões, este ano. Já as importações totalizaram US$ 239,398 bilhões, pouco acima dos US$ 238,635 bilhões registrados em 2013. Argentina perde posto Os embarques para a Argentina foram os que mais caíram: 23,5% no acumulado de janeiro a agosto, somando US$ 9,821 bilhões. A Argentina perdeu o terceiro lugar para a Suíca no volume mensal e para a Alemanha no acumulado de janeiro a agosto. Já as exportações para a China, maior parceiro comercial do Brasil, ficaram praticamente estáveis na mesma base de comparação, somando US$ 31,7 bilhões.

publicidade

publicidade