Servidores concursados da Câmara dos Deputados ameaçam cruzar os braços

Insatisfeitos com o estudo do presidente da Casa sobre modificações no plano de saúde, funcionários discutem greve

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/06/2015 09:45

Andre Shalders

Servidores concursados da Câmara dos Deputados fazem assembleia às 14h de hoje, no Salão Verde, em frente ao plenário, para discutir a paralisação das atividades. Ontem, centenas de servidores se reuniram para um protesto no local. Alguns reclamaram da suposta “perseguição” do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O estopim do movimento são as informações de que a Mesa Diretora da Câmara elabora estudos para cortar os repasses da União ao plano de saúde dos servidores da Casa (o Pró-Saúde). O Sindilegis, que representa os servidores do Legislativo federal e do Tribunal de Contas da União (TCU), requereu a Cunha uma audiência pública para tratar do assunto. “Esta não é a Casa do povo? Acho que a gente tem que cruzar os braços, a depender da resposta dele. Tem que fechar as portas, parar tudo!” , disse uma servidora, ao defender a greve.

Ailton de Freitas/Agência O Globo


Segundo o vice-presidente do Sindilegis, Paulo Cezar Alves, Eduardo Cunha foi avisado pela Direção-Geral da Casa de que não seria possível reduzir os repasses da União ao plano de saúde dos servidores, já que os recursos cobrem outras despesas da Câmara relacionadas ao tema. “A mesma dotação orçamentária do Pró-Saúde é a que mantém os serviços médicos da Câmara, os auxílios que são dados aos comissionados e até os reembolsos das despesas médicas dos parlamentares”, disse Alves. Em nota divulgada na última sexta, o atual diretor-geral, Rômulo Mesquita, informou que qualquer mudança no Pró-Saúde será feita “em benefício dos servidores”.

Leia mais notícias em Política

O presidente do Sindilegis, Nilton Paixão, disse que os servidores não aceitarão pressão da presidência da Casa. Durante o protesto, alguns trabalhadores disseram que colegas estariam sendo intimidados a não se manifestar. “Ele (Cunha) vem ameaçando, veladamente, para que isso (o movimento) se disperse. Sabe o que nós vamos dizer a ele? Que amanhã (hoje) estaremos aqui em dobro. Depois, o triplo, o quádruplo, até que todos os servidores estejam aqui.” Representantes do Sindilegis também comentaram que a manutenção de reservas é praxe entre os planos de saúde de servidores. O Pró-Saúde conta, hoje, com cerca de R$ 380 milhões em caixa, soma levantada com aportes da Câmara e dos servidores.

Conforme mostrou o Correio no sábado, Eduardo Cunha chegou a pensar em substituir os reembolsos de despesas médicas feitos aos deputados pela contratação de planos de saúde. A ideia foi descartada depois de o corpo técnico da Casa calcular que os custos subiriam dos atuais R$ 2 milhões para algo entre R$ 17 milhões e R$ 22 milhões.

Ponto eletrônico
Os servidores aproveitaram a manifestação de ontem para reclamar da adoção do ponto eletrônico, que começou a vigorar em de maio, exigindo frequência de oito horas diárias. Uma das principais reclamações é de que a Mesa Diretora ainda não regulamentou a exigência de ponto eletrônico para os servidores comissionados, detentores dos chamados Cargos de Natureza Especial (CNEs), e assessores de deputados. De acordo com o Ato da Mesa que regulamenta o ponto, a Casa deveria publicar uma norma para a frequência dos comissionados até o começo de junho, o que não ocorreu.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Ingred
Ingred - 25 de Junho às 16:09
Mauro, acredito que a maioria dos servidores da Câmara não estão reclamando do ponto em si, e sim dos comissionados (os "pendurados" nos deputados) para a regularização do ponto, pois muitos ali são cargos fantasmas. O Cargos de Natureza Especial chegam a salários de 19 mil reais e estes trabalham com os nossos digníssimos deputados.
 
Carlos
Carlos - 24 de Junho às 08:36
Eita! vamos todos sentir muita falta dos serviços prestados se essa greve começar pra valer...
 
Frederico
Frederico - 24 de Junho às 08:34
Esse CUnha é o cara! Ele consegue desagradar a todos.
 
carlos
carlos - 23 de Junho às 16:50
Se diferem que confirmar ponto por meio eletrônico terão que trabalhar todos os dias, desta forma não poderão se revezarem, ato esse de praxe na câmara.
 
GUILHERME
GUILHERME - 23 de Junho às 16:15
Se vocês acham que está ruim ai na Câmara é por que não conhecem a realidade da FUNAI. Queria eu ganhar o salário do servidor de nível médio do Congresso.
 
João
João - 24 de Junho às 12:31
Então estude para isso. O concurso é para todos
 
elaine
elaine - 23 de Junho às 23:41
Bora estudar?
 
Marcelo
Marcelo - 23 de Junho às 13:45
Adivinhem quem financiou a campanha de Eduardo Cunha. Quem disse Planos de Saúde ganhou uma aspirina! Ele desistiu "por enquanto " de leiloar o plano de saúde da câmara por causa da repercussão negativa, nada a ver com custos pois essa grana iria para seus financiadores... Não seja Inocente CB :)
 
Mauro
Mauro - 23 de Junho às 13:16
O trabalhador da iniciativa privada bate o ponto diariamente, sem problemas... Por que os servidores, pagos com o dinheiro do contribuinte, criam tanto barulho para seguir uma regra?
 
Alexandre
Alexandre - 24 de Junho às 09:12
Não sou servidor da Câmara dos Deputados, mas pelo que entendi da noticia e pelo que já vi da reivindicação deles, não é "não ter ponto eletrônico" e sim, tendo que seja para todos - comissionados e assessores.
 
elaine
elaine - 23 de Junho às 23:40
A reportagem não disse isso, Mauro! O protesto é justamente para que se possa cumprir a jornada de oito horas diárias estabelecida em lei.
 
anderson
anderson - 23 de Junho às 12:47
Isso que dá ter estabilidade; Queria ver eles estarem com um salário mínimo e depender do Sus; Tem uns babacas que insinuam que você não estudou, em países desenvolvidos você estuda pra servir de instrumento de ajuda na sociedade, e não de ganância e benefício próprio.
 
João
João - 24 de Junho às 12:38
As oportunidades são para todos. E cada um fez suas escolhas profissionais. Portanto não descarregue seu insucesso nos outros. Falando nisso, da modo que você escreve, aconselho estudar mais português.
 
Diniz
Diniz - 23 de Junho às 11:21
Esse Cunha quer tudo para os amigos e a lei para os servidores! É um completo idiota!