SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Dólar recua a R$ 3,18, menor nível em dois meses

No mercado à vista, o dólar fechou em baixa de 0,50%, aos R$ 3,1834, menor nível desde 11 de agosto (R$ 3,1385)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/10/2016 18:46

Agência Estado


O dólar inverteu sinal de alta durante a tarde desta quinta-feira (13/10) e caiu ao nível de R$ 3,18 no segmento à vista, valor mais baixo em dois meses. De acordo com especialistas, a melhora do apetite pelo risco no exterior abriu caminho para que o otimismo com o cenário doméstico voltasse a prevalecer no câmbio, garantindo a quarta baixa seguida do dólar Por aqui, a leitura positiva foi decorrente da tramitação no Congresso da proposta de emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos e da expectativa de entrada de capital com a lei de repatriação de recursos enviados ao exterior ilegalmente.

No mercado à vista, o dólar fechou em baixa de 0,50%, aos R$ 3,1834, menor nível desde 11 de agosto (R$ 3,1385). Em quatro sessões, o dólar acumulou perda de 1,24%. Na mínima do dia, a divisa norte-americana chegou aos R$ 3,1764 (-0,72%), menor intraday desde 8 de setembro (R$ 3,1668). De acordo com dados registrados na clearing da BM&F Bovespa, o volume de negócios somou US$ 1,111 bilhão. Já no segmento futuro, o contrato de dólar para novembro recuou 0,62%, aos R$ 3,1935, com giro de US$ 13,463 bilhões.

Leia mais notícias em Economia


O câmbio doméstico viveu dois momentos distintos ao longo dia. A primeira parte dos negócios foi marcada pela cautela, principalmente, após a divulgação de dados mais fracos que o esperado da China. A postura defensiva dos agentes financeiros pela manhã também foi alimentada pela discussão em torno do aperto monetário nos Estados Unidos. Ontem, o Federal Reserve divulgou a ata da reunião de setembro, quando manteve juros inalterados em 0,25% a 0,50%. O documento revelou que a decisão foi "por um triz" e que alguns integrantes do BC já viam como adequado elevar as taxas "relativamente em breve". Por outro lado, os dirigentes continuaram a mostrar visões divergentes sobre os avanços econômicos.

No entanto, ao longo do dia, as preocupações foram atenuadas. A inversão dos contratos futuros de petróleo para o positivo, no começo da tarde, também ajudou a marcar a melhora do apetite por risco lá fora. Domesticamente, existe perspectiva positiva com o andamento da PEC 241 no Congresso e atenuação das disputas políticas. Também há expectativa de entrada de recursos no Brasil, por causa da lei de repatriação de recursos enviados ilegalmente ao exterior. Por enquanto, as discussões sobre mudanças na lei estão paradas e o prazo de adesão ao programa permanece 31 de outubro deste ano.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade