SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Base e oposição na Câmara divulgam nota de apoio a Renan Calheiros

A nota foi elaborada pelo líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes (GO), que colheu assinaturas das demais lideranças

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2016 21:27

Agência Estado

Líderes de partidos da base aliada e da oposição na Câmara dos Deputados divulgaram nesta terça-feira (25/10) nota em apoio à decisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de fazer uma reclamação ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a Operação Métis.

A operação, realizada pela Polícia Federal na última sexta-feira (21/10), com autorização do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal, levou à prisão quatro policiais legislativos do Senado, sob acusação de usarem instrumentos de contrainteligência para obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

A nota foi elaborada pelo líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes (GO), que colheu assinaturas das demais lideranças. Segundo ele, o documento é apoiado inclusive pelos líderes do governo, André Moura (PSC-SE), e da minoria, Jandira Feghali (PCdoB-RJ). Apenas PSDB, DEM, PPS, PSB, Rede e PSOL não assinaram o documento.

 

Leia mais notícias em Política


Mais cedo, o líder do PPS na Casa, Rubens Bueno (PR), divulgou outra nota criticando as declarações do presidente do Senado. Para Bueno, a Operação Lava Jato "não deve se intimidar com declarações de pessoas poderosas que se consideram acima da lei" "Até porque essa foi uma das principais conquistas da operação: a prisão de autoridades", disse.

Nesta segunda-feira (24/10), Renan Calheiros fez duras críticas à operação Métis e ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, a quem chamou de "chefete de polícia". O peemedebista ainda chamou o juiz Vallisney Oliveira de "juizeco" e disse que a Polícia Federal usou mecanismos fascistas durante a operação contra o Senado.

Para Renan Calheiros e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o juiz de primeira instância não tinha competência para autorizar a operação. De acordo com Maia e Renan, somente o Supremo poderia autorizar a operação da Polícia Federal contra o Senado.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade