SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Raio X do funcionalismo: serviços insatisfatórios para impostos muito altos

Brasileiros consideram que pagam caro, recebem pouco em troca, e que governo gasta mal o que arrecada. Saúde, segurança e atendimento ao público são os itens com pior avaliação, segundo pesquisa da CNI

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/11/2016 07:55 / atualizado em 01/11/2016 10:08

Alessandra Azevedo - Especial para o Correio , Hamilton Ferrari - Especial para o Correio

Falta de estrutura, longas filas, burocracia e aparente despreparo. Essas costumam ser algumas das queixas recorrentes dos brasileiros em relação ao funcionalismo público. Cada vez mais, eles têm tido a impressão que pagam caro por serviços ruins, mostra o levantamento Retratos da Sociedade Brasileira, divulgado em junho pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa aponta que nove em cada 10 entrevistados concordam que, considerando o valor dos impostos, a qualidade dos serviços públicos deveria ser melhor no Brasil.

Leia mais notícias em Economia

As insatisfações ficam mais evidentes em momentos de dificuldade econômica. Nessas épocas, por estarem sem recursos, mais pessoas passam a depender dos serviços oferecidos pelo governo. Ao mesmo tempo que aumenta a procura, cresce o descontentamento com o resultado. “Na crise, é mais fácil perceber os problemas. Quando a gente precisa, vê o quanto falta qualidade no setor público”, observa a cuidadora de idosos Teresa Jesus Pedrosa, 60 anos. Nos últimos anos, mais pessoas chegaram à mesma conclusão. Enquanto, em 2010, 81% dos brasileiros afirmavam que os serviços deveriam ser melhores, a porcentagem subiu para 87% este ano.

 



Quando, não raro, Teresa precisa levar os idosos para serem atendidos nos hospitais públicos, sente falta de funcionários, remédios, equipamentos e espaço. Esse quadro, na opinião dela, sobrecarrega os servidores e deixa o ambiente mais estressante. “Tem vezes que passo a noite esperando e, mesmo assim, não consigo ser atendida. Parece que não querem nos ajudar”, acredita a cuidadora.

Ela não é a única que reclama dos hospitais públicos do país. Com base nos resultados da pesquisa, a CNI chegou a um índice, de zero a 100, para medir a satisfação da sociedade. Quanto mais alto, maior o número de avaliações positivas. Valores acima de 50 mostram que a maioria das pessoas está satisfeita com o serviço. No levantamento de 2016, nenhuma das categorias conseguiu ultrapassar essa nota. A última vez que isso aconteceu foi há seis anos, quando os Correios tiveram índice de 51, o maior registrado pela pesquisa. Este ano, a nota só ultrapassou 30 em sete dos 13 serviços avaliados.

“As reclamações das pessoas são válidas. Em geral, os serviços públicos realmente deixam a desejar”, julga o especialista em administração pública Jorge Pinho, professor do Departamento de Administração da Universidade de Brasília (UnB). O principal problema, segundo ele, é de gestão, já que os chefes não são selecionados por competência. “Troca-se o dirigente de acordo com a conveniência política, não por adequação ao cargo público. Isso acaba impactando no resultado do serviço prestado”, explica.


A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
jose
jose - 02 de Novembro às 09:10
Criamos a Republica e nos esquecemos de instalá-la. Qual é modelo de Gestão Pública brasileiro? Nenhum! Se não há modelo, não há objetivo, metas e resultados.
 
jose
jose - 01 de Novembro às 12:05
Falta de estrutura, burocracia, mal preparo e má vontade! A boa vontade poderia resolver uma considerável parte dos problemas. A burocracia existe principalmente por causa da corrupção, quanto mais corrupto for um sistema mais procedimentos de controle são necessários para diminuir os desvios. O País precisa punir mais rigorosamente a corrupção mas ao que parece é o contrário que estão tentando.
 
Marcus
Marcus - 01 de Novembro às 11:41
Aqui,neste país,está tudo errado.Quem trabalha recebe péssimo salário.Quem não faz nada,recebe altos salários e enriquecem as custas de crimes,como os deputados e senadores,e todos os governantes.A corrupção é instituída.Quem não aceita,é eliminado ou morto.Só os trabalhadores honestos,morrem pobres.
 
jose
jose - 01 de Novembro às 08:41
Pois como é possível garantir a prestação de serviço público de qualidade se há, no Brasil, um modelo de gestão Pública institucionalizada?

publicidade