SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

PREVIDÊNCIA

Conheça aplicativos para facilitar o planejamento da aposentadoria

Ferramentas disponíveis para Android e iOS ajudam a tornar processo mais simples

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2016 08:12 / atualizado em 12/11/2016 21:32

Alessandra Azevedo , Marlla Sabino* /

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
Em meio à expectativa da reforma da Previdência e às recentes mudanças nas regras da aposentadoria, é normal ficar confuso. Ao mesmo tempo em que se apressam para entender as regras atuais, as pessoas se questionam se já estão ou não na hora de aposentar, quanto tempo ainda falta e quanto dinheiro precisam juntar para complementar a renda, já que não dá para contar com o governo para manter o padrão de vida na velhice. Para tornar esse processo mais simples, o Correio fez um levantamento de aplicativos que podem facilitar o planejamento da aposentadoria usando apenas um utensílio: o smartphone.



Para quem não se dá bem com a matemática, existem aplicativos que fazem esses cálculos automaticamente. Entre as opções mais básicas, está o Aposentadoria, que funciona de forma simples. Gratuito e disponível para aparelhos que rodam no sistema iOS, como iPhones, e sistema Android, o aplicativo exige apenas que o usuário informe três dados básicos: gênero, idade e tempo de contribuição. Em um clique, a pessoa descobre se está ou não em idade de se aposentar.

Um pouco mais elaboradas, as calculadoras de aposentadoria vão além de dizer se os contribuintes já podem parar de trabalhar. A partir das mesmas três informações, esse tipo de aplicativo calcula quando a pessoa vai poder se aposentar, de acordo com a regra atual, a 85/95, em vigor desde o ano passado. 

Há mais de uma opção de programas com essa funcionalidade nas lojas de aplicativos Google Play, para aparelhos Android, e App Store, que vende para celulares com sistema iOS, da Apple. Há, por exemplo, a Calculadora de Aposentadoria, exclusiva para Android, e o Minha Aposentadoria, que funciona tanto no Android, quanto no iPhone. Ambos são grátis.

O segundo foi criado pelo analista de sistemas Giovanny Sete, 24 anos, que aproveitou a mudança da regra de aposentadoria, divulgada no ano passado, para desenvolvê-lo. “O aplicativo tem um funcionamento muito simples. Fiz para treinar e ajudar quem tem dificuldade”, conta o analista, que não pretende cobrar para auxiliar as pessoas com a aposentadoria. “A ideia é ajudar mesmo. Se fosse para ganhar dinheiro, não seria com esse tipo de aplicativo de utilidade pública, seria com algo mais elaborado”, diz Giovanny. A ferramenta criada por ele já foi baixada por mais de mil pessoas. “Não pensei que ia interessar tanta gente, porque nem divulguei”, comemora.

Economia mensal


Depois de saber quanto tempo tem disponível para juntar dinheiro, é hora de descobrir quanto vai ser preciso economizar por mês para atingir o montante necessário para manter o padrão de vida depois de deixar a atividade. Com o smartphone em mãos, essa etapa também pode ser feita de maneira simples. A dica da educadora financeira Myrian Lund, da Fundação Getulio Vargas (FGV), é baixar o aplicativo Calculadora do Cidadão, do Banco Central, disponível de graça para todos os sistemas operacionais.

Para saber quanto investir mensalmente, o interessado deve inserir, na aba Aplicações, a quantidade de meses que tem pela frente para economizar, a taxa de juros mensal do investimento escolhido e o valor que deseja obter ao final. A primeira informação é fácil de se conseguir, explica Myrian: basta multiplicar o número de anos que ainda faltam para se aposentar — informação que dá para obter com qualquer um dos simuladores citados acima — e multiplicar por 12, que é o número de meses em um ano. Foi o que fez a advogada Jordana Ferreira, 26, que pretende parar de trabalhar aos 65, ou seja, daqui a 39 anos. Multiplicando por 12, isso equivale a 468 meses de economia.

No espaço destinado à taxa de juros mensal, a dica da educadora financeira é colocar 0,5%, caso a ideia seja guardar o dinheiro na poupança, ou 0,8%, se preferir investir em algo com mais rentabilidade, como títulos do Tesouro Direto. “A melhor opção deve ser analisada no banco ou com algum especialista. Mas essa é uma taxa bem dentro da média de rendimento para as duas aplicações, boa para simular”, explica Myrian.

A última informação pedida no aplicativo é o valor total que o trabalhador precisará ter juntado ao fim desses meses de economia. A educadora financeira ensina que esse dado é conseguido dividindo-se o valor mensal que a pessoa pretende obter na inatividade (no caso de Jordana, R$ 10 mil) por 0,005, que corresponde à taxa da corretora. O resultado é aproximadamente o montante que será necessário acumular até a data estimada para a aposentadoria.

No fim das contas, Jordana concluiu que vai precisar ter juntado R$ 2 milhões nos próximos 39 anos para conseguir manter o padrão de vida. “Nunca tinha parado para pensar nisso. Parece difícil”, avalia a advogada. Mas, ao colocar as três informações na Calculadora do Cidadão, ela percebeu que é mais fácil do que parece. Se investir em algum rendimento que dê juros de 0,8%, como sugere Myrian, ela terá que guardar R$ 390,56 por mês. Caso opte pela poupança, vai precisar economizar R$ 1.067,52 mensais. “É uma meta possível, sim. É só ter organização”, concluiu.

“É comum se assustar com o montante final, mas é preciso lembrar que a pessoa terá muitos anos para juntar. Quanto antes começar, menos vai ter que sacrificar por mês”, lembra a educadora financeira. Além disso, segundo ela, é essencial atualizar os valores no aplicativo sempre que possível. “Com o passar do tempo, o padrão de gastos pode mudar bastante”, observa.

Cálculos


Quem acha complicado fazer os cálculos para inserir no programa do Banco Central pode baixar o aplicativo Target, da Icatu Seguros, no smartphone. Com ele, é possível calcular um valor ideal que cada pessoa precisa economizar para manter o padrão de vida quando parar de trabalhar. Além das informações básicas — gênero, idade e tempo de contribuição — só é preciso colocar os gastos mensais com saúde, alimentação, habitação, lazer e educação. Há um espaço para inserir também as despesas com dependentes, caso existam. Com esses dados, o aplicativo faz uma simulação do montante final necessário e calcula, ainda, quanto será preciso guardar por mês para chegar ao montante desejado.

A praticidade de poder se programar para o futuro levou o corretor de seguros Frederico Santos Monteiro, 31 anos, a baixar o aplicativo. “Ele me ajuda a manter a qualidade de vida e mostra se estou comprometendo minha renda no presente. Além disso, posso levar para qualquer lugar no celular”, conta ele. “No começo, assusta um pouco, mas é bem interessante saber o que preciso economizar agora para ter uma aposentadoria mais confortável”, conta.

A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui

* Estagiária sob supervisão de Odail Figueiredo

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade