SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Maggi pedirá compensação à agricultura brasileira por 'cuidados ambientais'

Em nota, a pasta diz que o ministro vai reforçar que o Brasil tem 61% de suas matas nativas preservadas e que faz uso de energias limpas, além de ser responsável por 14% da água doce do planeta

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/11/2016 14:12 / atualizado em 14/11/2016 14:16

Marcelo Camargo/Ag?ncia Brasil

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, defenderá na COP 22, a Conferência da ONU sobre o clima em Marrakech, no Marrocos, que os produtos agrícolas brasileiros tenham preferência no mercado global. A justificativa, segundo o Ministério, é de que a produção brasileira cumpre regras ambientais rigorosas, diferentemente de outros países que também são produtores de alimentos.

Em nota, a pasta diz que o ministro vai reforçar que o Brasil tem 61% de suas matas nativas preservadas e que faz uso de energias limpas, além de ser responsável por 14% da água doce do planeta. Segundo a pasta, o País adota práticas preservacionistas no cultivo de soja e trigo. Blairo Maggi, que é também um dos maiores produtores de soja do mundo, falará na quinta-feira, 17, no painel "O papel do Brasil, da agricultura e da silvicultura no Acordo de Paris".

Leia mais notícias em Economia


O assessor especial do Ministério para Desenvolvimento e Sustentabilidade, João Campari, que também viaja para a COP 22, diz que Maggi cobrará compensações pelas práticas e regras ambientais seguidas por agricultores brasileiros. "Queremos ser compensados de alguma forma por todos esses cuidados que são compartilhados com o bem-estar da população dos demais povos", destaca. "Temos aqui leis muito severas para o uso da terra, mais do que em qualquer outro país".

Blairo Maggi também participará do lançamento da Plataforma para o Biofuturo, que visa a aproveitar a tecnologia existente no tratamento de resíduos para produção de combustíveis celulósicos, como o etanol obtido da biomassa de cana-de-açúcar. E deverá se encontrar com o diretor-geral da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), o brasileiro José Graziano da Silva.

O secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do Mapa, Odilson Silva, e o presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Lopes, também viajam a Marrakech. Segundo o Ministério, o objetivo da conferência é garantir a redução das emissões de CO2 (gás carbônico) na atmosfera para conter o aquecimento global.

Por Agência Estado

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade